Pular para o conteúdo principal

ESTOPIM FEST


Marcado para as 14 horas, o Festival de 09 anos do selo Estopim teve um atraso considerável, contudo nada que tirasse o brilho do que estava se celebrando naquela tarde/noite de domingo. A Boomerangue abre as suas portas, para aqueles que aguardavam ansiosos o início das comemorações, no 1º piso onde foi improvisada uma "sala de cinema", Fabiano Passos (Estopim Records) anuncia o início das atividades com a exibição do documentário AFROPUNK, que retrata um pouco da realidade dos jovens negros que fazem parte do meio hardcore/punk norte americano. Muitos relatos de integrantes de bandas e pessoas inseridas no meio, considerações, anseios, um retrato de como é e de como deveria ser o meio contra-cultural, na visão dos entrevistados. Um documentário realmente interessante, dinâmico e que ainda conta com cenas de shows de bandas de hardcore/punk que têm membros negros.

Abrem-se as portas de acesso ao 2º piso, onde ocorreu todos os shows, já a postos estavam eles após 01 ano fora dos palcos DIANTE DOS OLHOS, a banda como a 01 ano atrás mantém a mesma formação, executou músicas que saíram no split "Transformando a distância em possibilidades", além de músicas da sua demo (S/T). Além disso, mostraram para o público que nesse 01 ano sem shows, não ficaram parados e sim produzindo, tocaram diversas músicas novas, inclusive uma composta por Silvio, da banda sergipana Demonkrätzie. As músicas estão diferentes das músicas do split que soavam mais melódicas e oitavadas, agora estão mais pesadas e rápidas, pena que o público ainda estava frio e acanhado e ficou apenas observando a apresentação da banda. Ficamos no aguardo de mais shows e de um possível lançamento para 2009.

Falando em lançamento a segunda banda a subir ao palco, HOMEM METEORO, estava ali lançando seu EP intitulado "A saga do incrível Homem meteoro", gravado no Estúdio da Estopim Records. Ainda não tive tempo de ouvir o EP, contudo pelo que se pôde ver da apresentação dos caras é certeza que "A Saga do incrível homem meteoro" é um excelente lançamento de 2008. A desenvoltura dos integrantes da banda é ímpar, parece combinar com o som caótico que a banda faz, expressões faciais, interação com o público, tudo isso marcou o show da Homem Meteoro, creio que justamente por esses ponto o público se soltou mais, interagindo assim com a banda.

Com o público já em estado de ebulição a YUN FAT, fez um dos melhores shows do festival. Irreverência seria a palavra que melhor pode definir a banda, porém seria um pecado resumi-los a isso. É difícil escolher no show dos caras se você dança, dar risada ou fica de boca aberta vendo a qualidade musical destes, eu tento fazer os três. Tocando praticamente o mesmo repertório do show do Boom Bahia, a Yun Fat mostra porque é forte concorrente a ganhar o prêmio Bahia de todos os rocks, além de músicas próprias e a versão de "Sunday bloody Sunday", que constam no CD "Actions movie stunts get to die", tocaram músicas novas que já dão uma prévia de que o segundo material não deverá nada ao primeiro. A mistura de Bossa Nova com Metal e Grind, juntado com a malemolência do público soteropolitano fez do Boomerangue uma verdadeira pista de dança.

Parecia que agora a festa iria ficar quente, todos animados a espera da próxima banda quando sobe ao palco os representantes da velha escola do punk baiano PASTEL DE MIOLOS, com mais de 14 anos de estrada, ainda continuam ativos e tocando um punk rock cru, com umas pegadas de ska, e claro, hardcore. Porém, parece que não agradou muito o público presente, visto que nitidamente os que ali estava morgaram e procuraram os sofás do recinto para descansar. A banda no finalzinho ainda tocou um "blitzkrieg bop" da nova-iorquina Ramones, porém nem isso animou os que ali estavam.

Quando a A SANGUE FRIO entrou em cena, o pessoal ainda estava disperso, porém foi começarem a tocar a primeira canção que o público, meio acanhado, começaram a se aglutinarem frete ao palco. O show foi basicamente uma reunião, pois o baixista Jonas, não reside mais em Salvador, o que tem impossibilitado a banda de realizar shows freqüentes ou até mesmo ensaios, porém a energia que a banda passa supera tudo isso. Tocando músicas do belíssimo "Sonetos de Asfalto" e do recém lançado "Uma vida é muito pouco", a A Sangue frio, ainda não tinha atingido o objetivo de fazer todos dançarem para revolução, mas depois do puxão de orelha de Fabiano o público se soltou, e aí foi um verdadeiro baile, um comentário interessante, também feito pelo Fabiano, em relação ao fato de que a alguns anos atrás na frente do palco existia público, hoje em dia existem fotógrafos, adorei isso, pois é exatamente o que penso (nada contra a fotógrafos), porém é meio chato ver uma galera tirando foto, outros apenas de braços cruzados, legal é ver todo mundo rolando no chão, se sujando, suando, sendo feliz, afinal uma vida é muito pouco!

Com as Pick-ups já prontas, agulha preparada e o conceituado Dj Leandro começa a riscar os disco: VERSU2! O grupo de rap formado por Rangel A.K.A. Blequimobiu e Coscarque vem mais uma vez mostrar que nem só de hardcore vive o homem, e mais que o barulho que os caras fazem é tão intenso quanto as guitarras distorcidas. Quem esperava por um rap pessimista, com letras falando de miséria e pobreza caiu do cavalo, a proposta da Versu2 é totalmente oposta a isso, com bases dançantes rimas que falam sobre diversão e positividade marcam a banda. Diferente da gravação que rola no MySpace (http://www.myspace.com/versu2), a música na caminhada ganhou uma nova roupagem com a excelente base do Jurassic 5. Sem sombra de dúvidas a Versu2 não deixou a peteca cair e fez um show contagiante.

Termina a apresentação da Versu2 e Dj Leandro continua em seu posto, todavia chega ao seu lado Dj Igor(?) formando uma excelente dupla de Djs, e eis que sobe ao palco ele lançando o CD "Entre verso e prosa" DAGANJA. Integrante do conhecido grupo de rap Afrogueto, Mc Daganja em seu projeto solo mostra que manda tão bem quanto no Afrogueto, onde divide vocais com Osório e Kiko. As bases utilizadas foram bem escolhidas, umas misturando o samba de raiz com rap, além de umas mais pesadas, dando um clima mais gangstar na parada. Rima pesada, sincera e bem encaixada, como diz na gíria: O cara tem o flow! O show foi repleto de participações especiais: Osório (Afrogueto), MC Vitor (Cuba), Dimak e um dos MCs da banda de Ilhéus o Quadro, o qual me falha o nome, mostraram que o rap baiano não só está forte, como está unido.

Agora momento nostalgia. Eles que acabaram mas que de vez em quando dão o ar da graça: MAIS TRETA. Power trio straight-edge, que dessa vez não se apresentou com sua formação original, tendo no baixo Túlio Xavier. Músicas pequenas com títulos gigantes, característica dessa banda que fez os presentes esquecer o cansaço e se debaterem entre si. Hardcore da melhor qualidade, rápido e com vocal embolado, não se fazem mais bandas como esta. Os caras ainda tocaram música nova, será que agora com essa nova formação voltam novamente a fazer mais shows? Espero sinceramente que sim, pois Salvador precisa disso: simplicidade, velocidade e sujeira!

Para finalizar a noite LUMPEN. Basicamente deram uma prévia do que será o próximo lançamento deles, um CD de covers homenagiando bandas que influênciaram os integrantes, entretanto, tocaram ainda músicas do CD "Pelo bem da humanidade diga não a paz", sucesso de vendas e totalmente esgotado. Os covers tiveram um toque especial nessa apresentação. O cover da No Deal, foi convocado a subir ao palco o Dimak, que fez parte do grupo; Na versão de "Na caminhada" (Versu2), foram convocados Rangel e Coscarque, essa versão ficou digna de filme de gangstar, hardcore ganguêro no melhor estilo NYHC; Cover de Escato, uma das pessoas mais simpáticas do underground, que a tempos não via, o Nal (Escato). Ainda teve covers da Lisergia, Adcional e Scooter Brigade, onde Robson "velho" re-lembrou os tempos onde tocava guitarra. Quem esperou até o fim foi agraciado com essa verdadeira celebração ao underground, e o melhor ainda deu tempo de pegar o transporte e chegar em casa num horário legal.

PARABÉNS ESTOPIM RECORDS POR ESSES 09 ANOS DE INDEPENDÊNCIA POR OPÇÃO, E PARABÉNS POR MAIS ESSA EDIÇÃO DO ESTOPIM FEST, QUE COM CERTEZA FICARÁ MARCADA NA MEMÓRIA DE MUITOS.


Na foto: Homem Meteoro


Ouçam as bandas que se apresentaram:










Comentários

Andrei disse…
Foda!
O show foi sem comentários,e a resenha tb é


Abraços!


Andrei e Familia HM
Blequimobiu disse…
Man, do caralho este texto ai... Muito obrigado pela sensibilidade.

Muita luz pra vc, vou linkar seu blog, classe A!
Garota do jornal disse…
Sem sombra de dúvidas, superou a cobertura do sequestro de Eloá.

Resenha fantástica, revivi tudo!
Isso é pra quem acredita!

Valeu!!

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”. 
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…