Pular para o conteúdo principal

Cobertura: Coletivo das Ruas apresenta

Texto: Andrei Junquilho

Fotos: xDudux, Fernando Gomes, Diogo Gomes

Lá estávamos nós ansiosos por mais um evento aberto. O concerto estava marcado para às 21:00 h, como de costume, houveram probleminhas técnicos, além de uma mudança drástica do tempo. Um dilúvio invadia o Rio Vermelho, as garotas e os emos de chapinha corriam para não encaracolarem os cabelos, enquanto nós corríamos para proteger o som. A bendita chuva não passava, foi quando resolvemos ir até o supermercado para comprar um toldo para que pudéssemos dar inicio ao evento já que o som, as bandas e o público já estavam presentes.
Corremos até o extra, fizemos a vaquinha que ainda não saiu, Rodrigo disse que não daria R$ 5,00 reais, a fila não andava, Diogo nos liga para pegarmos os pratos, que mais uma vez ele esqueceu em algum lugar, dessa vez no estúdio Two Tone, o caixa do supermercado dá mole pra Dudu e Múmia (Nota do editor: Pura mentira, que o cara estava flertando com Andrei), a fila começa andar, pagamos e fomos para o largo da Dinha, fazer a felicidade dos ali presentes.
Sofremos um pouco até conseguirmos montar a tenda. Foi preciso Fernandinho, Braytner, Gabriel, Eu, Dill, Dudu (pagando de engenheiro e só dando ordens), Antonio e muita gente para conseguirmos montar a tenda e colocar a banda embaixo para que o evento fosse iniciado. Já eram 23:00 quando a primeira banda entra em cena, eu particularmente, pago o pau para eles, acho a coisa mais sensacional dos últimos tempos e ponto final. Vindo direto de Simões Filho, nossos amigos da Mácula - http://macula.bandcamp.com -, como sempre executaram um set coeso, rápido, cruel e bonito. Em diversos momentos eles soam tradicionalmente como um grupo de blackned, mas Bal com sua rapidez e precisão deixa o bagulho ainda mais veloz soando grindcore em algumas partes. Confesso que a cada dia os caras amadurecem, Ítalo a cada dia tocando mais, Debbie e seu baixo pulsante e bem seguro, e Caleb para mim foi o único que não rendeu o que sabe. Particularmente, gostava muito mais de quando ele cantava de forma mais solta, sem abafar tanto, cabe mais à Mácula esse tipo de vocal do que umas cosias mais podres, mas mesmo assim o desempenho, apesar de parecer cansado, foi bom, além dos discursos e explicações bem estruturados. O show da Mácula para mim, sempre é rápido, acho que é a minha concepção de que tudo que é bom dura pouco!

Findada a Mácula, a melhor banda da Bahia, eis que surge a pior banda de Salvador, se não for pretensão demais minha, a pior do mundo. Pense num bagulho sujo, torto e com letras mal elaboradas, e digo mais: com um nome que homenageia uma das repórteres mais fracas da tevê brasileira? Não precisa dizer mais nada, né?
Wändä Cheese (a grafia é essa mesmo, não tempos papas na língua, mas não queremos ser processados, rsss!!!). Conjunto anti-música formada por mebros e ex-membros de bandas do cenário rocker soteropolitano como Charlie Chaplin, Derrube o Muro, Mapache Man, Veredicto, Homem Meteoro e Orelha Seca. A formação é um tanto quanto inusitada e desprendida de qualquer tipo de virtuose. Somos (digo somos porque tive que eu mesmo fazer a resenha do conjunto que toco) exímios fazedores de ruídos.
O show começa e os ânimos e mentes altas de alguns integrantes fazem a festa da rapaziada e fazem uma pá de gente torcer o nariz e outra pá de gente rachar o bico de rir. As letras falam de situações que acontecem no cenário e no nosso dia-a-dia de forma esculachada. Destaque do show para o figurino e para a música mais polêmica da banda “Esras Scriba, aquele que ajuda” e para o cover do Ilê Ayê. Set curto e bastante ruidoso dando vazão ao slogan da banda "É RUIM, MAS É BOM".

Fazia tempos que eu não assistia a Derrube o Muro – http://www.myspace.com/derrubeomuro -, banda que ao contrário de alguns tendenciosos que prefiro não citar nomes, gosto mais da fase com Diogo. Nova Iorque total, só que direto das ruas de Salvador. Hardcore de Brau para Brau como Dudu costuma dizer, e é incrível, basta o primeiro acorde que parece abrir a porta do purgatório e todas as almas sebosas de batidão e aba reta saem das profundezas lamacentas da Avenida Lucaia. Adoro de coração, e confesso que se um dia eles pensarem em três vocais eu me escalo para cantar ou mesmo para fazer uma participação (quase um apelo fanático, hein?). Dudu já estava cansado, e tudo veio a piorar porque os caras decidiram tocar uma após a outra. Foda!! Mais uma apresentação fudida dos caras, só me decepciona o fato de não tocar um cover NYHC (Rodrigo iria odiar tocar!).

Voltando a falar de “é ruim, mas é bom”, chega a vez dos caras que se acham ruins, mas uma moçada adora e se diverte no show deles: Fracassados do underground - http://www.myspace.com/bandafug -. Punk bêbado, fudido, despretensioso, alegre, sujo, mal tocado, divertidíssimo e com Fabão nos vocais. Quer mais? Só se alguém conseguisse que Gabriel ficasse nú no show, aí sim seria melhor. Voltando ao foco secundário, pois Gabriel é sempre o primeiro plano, eis que continuamos a resenha. Todos os presentes pogando, se divertindo e como de costume um brau, daqueles que usam tatuagem mahori e bermuda tactel da mahalo (Nota do Editor: Eu uso tactel da Mahalo) e afins, começa a empurrar todo mundo na roda causando uma tremenda confusão. Para ele a lei Maria da Penha não vale de nada, queria bater numa mulher. Que covarde, hein? Só vi depois que todo "bafafá" estava formado e queria resolver, pena que não me deixaram, com certeza esses filhodaputa iriam tomar uns paus e respeitar de vez o trampo que fazemos. Enfim... Confusão cessa, Fracassados volta o set e de repente outra confusão. O dia estava zicado, tinha tudo para dar errado, mas tudo foi contornado e os caras acabaram o show na mesma energia contagiante como é costume dos caras.

A nossa nova aquisição, o toldo, ajudou bastante, principalmente na hora em que a The Honkers - http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/the_honkers - (ou honckers como no cartaz feito pelo retirante) começou a tocar. A chuva oscilava entre a timidez e a fúria (quase um Vicente quando perdeu a virgindade) e eu já estava bêbado demais para continuar até o final do evento, ainda mais que sempre estendem o set. Particularmente acho que tem que haver um limite e bom senso, mas o show dos caras como sempre é fantástico e Bubute é um show a parte. Fui embora, levado, perdi minha carona, ganhei outra, cheguei em casa bem e soube que o dia amanheceu ao som do bom e velho rock in roll.

Que outros eventos como este aconteçam com freqüência, e que o coletivo tenha vida longa!
"A RUA É NÓIS"

Comentários

Anônimo disse…
vida Longa a Wanda
Andrei disse…
na foto da fracassados tem os braus la que procuraram briga, e o melhor: tem uma inerencia ali perto de brenopn. "ê paixão".

Andrei
Eduardo disse…
Tow ligado que esse anônimo ai em cima foi Andrei para inflar seu ego. Dúvido que alguém queira longa vida a essa merda.
Andrei disse…
Sim sim. Você é um rapaz inteligente!
Rodrigo disse…
heheheh a gente tocava suicidal andrei! n sei se diogo conhece! maceio mosh crew eh foda... temos q tirar outra! de ny eh so gosto de suicidal e sick of it all... não q eu conheça muita coisa! mas enfim!!

ficou bala a resenha! a propósito, eu como fã e cu folotado, abusei de meu poder de dono do som e deixei os mestres se estenderem madrugada adentro! bubute volta e meia me perguntava como tava o horario!

hasta!!
Silvio Henrique disse…
Fiquei fã da mácula também, coisa boa!
Andrei disse…
toca agnostic front, Digão.
Bal disse…
Mácula é uma merda(brincadeira viu, antes que a galera ache q tá rolando atrito na banda, kkkkkkk !!!!)foi bem legal e divertido, Doriva cantando arrocha foi massa, leva jeito o sacana !!!!
Andrei disse…
Você tá tocando pacarai, Bal.
Acho que Caleb tá passando por um momento existencial. Ele quer virar for fun que tô ligado. Depois de Wanda Chase e Fracassados ele pensou. Foda-se a politica.

Bora Baêa!
Eduardo disse…
Andrei: Eu sei que sou.

Rodrigo: Suicidal Tendencies é Hardcore LA e não NY, apesar de ser bem ganguêra, dá pra sentir que a sonoridade é um pouco diferente. E realmente Sick of it All é foda!!!!

Bal: Mácula não é uma merda, é sua melhor banda.
Rodrigo disse…
eh mermo... quer dizer! nem sabia não!!! mas pra mim aquele tipo de som eh td ny!! agnostic froint num vo ca cara andrei!! c deve saber... tenho um disco baixado deles de 87, mas eh outra pegada!

a melhor banda de bal eh agnosia!
Andrei disse…
a melhor é a mácula

e se eele fizesse uma comigo, garanto que eu me esforçaria para que fosse uma banda boa, mas ele nunca fara uma banda comigo. Bal é rancoroso (rsssss)
Bal disse…
que drama da porra Andrei, kkkkkkkkkkk !!!!!
Eduardo disse…
Agnostic de 87 é duas guitarras iasporra, bem thrasher!!!

E o som é diferente, Suicidal Tendencies é bem mais groovado, a semelhança é que Suicidal é banda gangstar.
Andrei disse…
gangstar é snoopy dog

e sou dramático memso, Bal
Eduardo disse…
Snoop realmente é o sinônimo de ganguêragem!

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Festival Big Bands 2012

Texto: xDudux
Fotos:Quina Cultural, Igor Filgueiras, Mari Martins
No dia 26/10/2012 foi dado o pontapé inicial para mais uma edição do  Festival Big Bands. Na sexta não fui, pois estava torcendo pro glorioso leão e no domingo também não deu pra comparecer já que estava na celebração da décima edição da batalha de rimas Maisum, entretanto não poderia deixar de ir a pelo menos um dia desse tradicional festival e me restou ir no sábado (27/10), onde dentre outras bandas teria a gigante Headhunter D.C., banda local de death metal com prospecção e respeito nacional. Sim por esse show com certeza já teria valido à pena minha ida a Praça Tereza Batista, mas ainda teriam outros atrativos nessa tarde/noite.
A banda de abertura foi a Hessel -http://www.myspace.com/hesselrock - banda instrumental local que seguindo nossa tradição de bandas instrumentais é muito boa! Os caras abusam, sem medo de ser feliz, de efeitos e pedais, dando um resultado final que é uma delícia musical de primeira linha, que …