Pular para o conteúdo principal

Entrevista: TERNURA (ES)


- As crianças cresceram, e agora? -


É com enorme satisfação que trago para vocês a primeira entrevista do Toma na Cara, e não poderia ser com outra banda se não eles, TERNURA.Para quem não os conhecem, o ternura é uma banda de hardcore do Espírito Santo, com uma pegada bem rápida e uma energia bastante positiva, estão na estrada a mais de 3 anos e têm 03 materiais lançados. A entrevista foi com o Dalmoro (ex guitarra?) e o Dudu (vocal), espero que gostem.


1 - Depois de muito tempo outra entervista, acho que essa não vai se perder...deve ter uns 03 anos que a outra foi feita. Mais então de 03 anos pra cá o que mudou no Ternura?


Dudu - Crescemos, nossa voz engrossou, mais pêlos, et cetera...


Dalmoro - Eu me desliguei do HC, mas durante o tempo que convivi com o Ternura foi de coração. Uma parada sincera pra caralho, pra mim acabou sendo uma fase, mas a amizade vai ficar pra sempre, não sei se o resto da banda sente o mesmo, mas mesmo que eu esteja em outra, pensando outras coisas, aproveitando de outras maneras, o momento ficou guardado, infelizmente o tempo destroí tudo.


2 - Vocês vieram pro Nordeste participar do festival Thrash IT!, na época vocês tinha apenas a demo s/t lançada. Após isso vocês lançaram outra demo (A do coração na Capa) e sairam no Split (Thrash IT Vol. 1) com as bandas: Cätärro e xReverx, as gravações são bem diferentes da primeira demo. O que esperar do próximo lançamento do Ternura, aliás vocês pensam em lançar algo em breve?


Dudu - Desde o início de 2006 a gente vem compondo músicas novas que são praticamente todas as músicas que tocamos em shows hoje. Ainda falta tirar umas 2 ou 3 músicas que estão prontas desde essa época. Daí, acho que com essas músicas deveríamos ter um set que girasse em torno dos 20 minutos, mas provavelmente ninguém se interessaria em lançado por motivos diversos. Eu particularmente gosto da idéia de jogar Internet a fora pra quem quiser. Essas músicas são um pouco diferente das anteriores: mais longas, afinação mais baixa, algumas partes lentas e talvez um pouco mais de pegada crust.


3 - Falando em Nordeste como é o relacionamento de vocês com o pessoal do Nordeste? E quando pretender vir (A banda) para cá novamente?


Dudu - Eu particularmente tenho grandes amigos em alguns pontos específicos do Nordeste, pessoas que são muito queridas para mim, apesar da distância. Pretendemos ir aí quando tivermos condição ou quando vocês tiverem condição. Como sei que ambas as possibilidades são meio remotas, continuaremos em praias poluídas e tocando pros amigos e pros amigos dos amigos.


4 - Vocês como banda assumem alguma visão política?E individualmente?


Dudu - Acho que hoje, não. Somos indivíduos distintos e de uma empolgação com coisas comuns em uma certa época, talvez tenha sobrado apenas uma amizade e a vontade de tocarmos juntos. Individualmente, poderei falar somente por mim. Acho difícil enquadrar o que penso em algum “ismo”, até porque nem tenho pensado num rótulo. Sei que tenho tentado ser chato, importunando de anarquista a liberal, utilitaristas a cristãos e no fundo não sendo nada disso e sendo um pouco de cada um sem perceber. Permanecer questionando tudo que me traga uma fagulha de desconfiança e que tenha pretensões de se firmar como valor absoluto em mim ou nos que me cercam. Como esse abismo é intransponível, ultimamente tenho recomendado o suicídio coletivo como única e urgente prática contestadora.


5 - Me falem mais sobre projetos, sei que alguns de vocês tem projetos paralelos ao Ternura, quais são?falem mais sobre.


Dudu - Se você tiver falando em termos de bandas, acho que hoje em dia, eu sou o único com um projeto paralelo que é o Castigo ( http://www.myspace.com/castigobh ), ensaiamos há mais de um ano já e nesse tempo só fizemos um show.


6 - A temática do Ternura sempre foi muito polêmica, desde a camisa cuja estampa tem descrito "enfie sua cena em seu cu" a letras bem fortes e diretas, além da crítica efusiva ao "hardcore cristão". Continuam pensando como antes ou têm uma opinião diferente acerca destes assuntos?


Dalmoro - As pessoas mudam muito de opinião, tenho certeza que todos do Ternura estão pensando diferente daquela época em alguns sentidos. As letras do ternura significam o que a gente pensava no momento, apesar de não ter contribuido muito nesse sentido.


Dudu - Em vários pontos, mudei de opinião. O cristianismo é um desses assuntos, uma crítica a ele é meio inútil, porque representa apenas a ponta do iceberg. O buraco é bem mais embaixo.


7 - Nos tempos atuais está sendo uma grande dificuldade lançar bandas, vocês lançaram essa última demo por vocês mesmos, além de fazerem suas próprias camisas qual a importância de ser independente no cenário independente? E a Crimes pela Juventude, a quantas anda?


Dudu - Acho que hoje, eu responderia que a importância disso é simplesmente continuarmos a fazer o que gostamos independente do que os outros pensam, se teremos ajuda seja lá de quem for ou não. Não podemos parar e já que lançar uma demo era uma idéia na época, queríamos colocá-la em prática, mas não que isso seja uma regra necessária a ser seguida. Não sei como está a Crimes.


8 - Como está sendo pra banda desde que vocês foram morar em Belo Horizonte?Qual o esquema de ensaios e shows?


Dalmoro – Atualmente estou morando no Peru, estou me acostumando aqui e tal,tá manero, estou aproveitando o máximo. Depois vou pra Australia ano que vem, faze um curso de inglês e pegar onda.


Dudu - Quando o Dalmoro se mudou, a dinâmica não alterou muito, continuamos como éramos antes quando ele ainda não participava. Depois que me mudei para BH, os moleques tiveram vários momentos de crise existencial, intercaladas por períodos de ensaios. Sempre que vou a Vitória a gente tenta ensaiar. Tirando isso, acho que ultimamente eles pegaram no tranco e estão ensaiando direto, talvez esteja enganado. Tocamos apenas dois shows, num período de um ano e meio pra cá. Gostaríamos de tocar mais, principalmente fora de Vitória, ver rostos novos, etc.


9 - Na primeira demo que lançaram (da criança chorando) o Dalmoro ainda não fazia parte da banda, como foi o processo de ingresso dele na banda? E vocês acham que o fato do Ternura ter mudado o estilo da primeira gravação para as demais se deve ao fato das últimas terem sido gravadas com ele?


Dudu - Na época, a gente pirava nessa idéia de fazer um som bem rápido com umas oitavadas que lembrassem o betercore, sem falar que desde essa época o colligere era uma banda que a gente sempre gostou muito. Dalmoro era um rapaz que havíamos conhecido a certo tempo, se mostrava interessado no que fazíamos, tinha uma pegada legal na guitarra e a interação com a gente naquela época estava bem sintonizada: roles juntos, idéias soltas, etc. Mas não acho que o fato das músicas terem mudado se deva à sua entrada, já que tanto antes como depois eu sempre fui quem mais compôs para a banda. O que sem dúvida alterou com a entrada dele foi a nossa empolgação: nos shows, duas guitarras davam uma energia maior, já que podíamos agitar mais livremente, uma guitarra sempre cobriria a outra e nós cinco estávamos num clima muito bom como banda e como amigos.


Dalmoro - Sonoramente não sei se contribuí porra nenhuma, o som ficou mais pesado claro, e a banda evoluiu. Acho que a gente estava numa sintônia na época e, a gente misturava tudo o que a gente gostava, acrescentando coisas que criava mermo né, acho que o Dudu é quem fazia a maioria das paradas e a gente só meio que selecionava né (sonoramente). Pra mim o som do ternura, apesar de ser foda não chega a ser o principal e nem chega perto do que a banda realmente é e representa.


10 - Pergunta clichê: Como vocês vêm a cena hardcore atual, no seu estado e no Brasil?


Dudu - Tenho coisas mais importantes a me preocupar.


11 - O que andam ouvindo últimamente que merece ser indicado aos leitores do fotolog?


Dudu - Black Sabbath, Converge, Dinosaur Jr., 3, Joy Division, Entombed, Tim Maia (Racional), Zé Ramalho e Beethoven.


Dalmoro – Tudo! Desde pagode, sertanejo e axé até surf music e música eletrônica, más sempre rola um WHN!


12 - Deixem um último recado aos que vos lêm.


Dudu - “Eu prefiro galope soberano, à loucura do mundo me entregar”


AGRADEÇO A BOA VONTADE DE DALMORO E DUDU EM RESPONDER A ESSA ENTREVISTA.

Comentários

Anônimo disse…
difuder!!!!!!!!!!!!!!!
Paulo disse…
Parabéns pela iniciativa!
Garota do jornal disse…
Que entrevista delícia!!
Anônimo disse…
Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”. 
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…