Pular para o conteúdo principal

Cobertura: Como Desistir? (PE) em Salvador.




Texto: Andrei Junquilho

Como desistir? Para mim, como para alguns outros "amiguinhos" meus, é uma pergunta extremamente fácil de responder, mas a questão aqui é: "Será que dessa vez a Como desistir irá desistir do rolê em Salvador?
O telefone toca e olho na pequena tela de LCD do meu "chingling" e eis que vejo o nome de BotÍnho (destaque para o acento no I para que a leitura soe  bem fiel ao sotaque do pessoal de "Ricife"). Ufa! Dessa vez os caras já tinham desembarcado em terras com cheiro de uréia (lê-se Cidade de São Salvador).
Show marcado para um horário bacana, mas de 100 erram-se 109 tentativas e mais uma vez esse humilde e descarado pseudo-escritor/ colaborador estampo as linhas desse blog com a palavrinha que mais tento achar sinônimos para disfarçar o excesso da mesma em minhas resenhas, mas é difícil, então eis que com a tecla "caps Lock" e separada com "hífens" destaco essa zica que acompanha os eventos soteropolitanos. 

O- A-T-R-A-S-O.

Já havia perdido a noção de tempo, não por alteração da minha lucidez, mas por já estar com bem sono, quando os filhos da puta da Eletric Fish Kill Alligator - http://www.youtube.com/watch?v=zlVtbKJXwTs -começam a tocar seu set. Banda nova, nomes bem conhecidos do cenário. Fabão, Rogério e Rodrigo, me despertaram uma certa curiosidade ao ver que não havia contra-baixo no bagulho e que tratava-se de algo instrumental, uma bela junção para pejorativamente usarmos o prefixo de post. A banda soaria como o que? Post Rock, Post Hardcore, Post Punk, Post qualquer porra? Legal o sonzinho dos caras, apesar de modernoso (meus pré-conceitos com tudo que venha a parecer indie). Um ponto a ser destacado é que apesar de o formato + nome da banda + integrantes carismáticos (excluam Rogério dessa) + troncheira proposital + troncheira por falta de ensaio, a banda agradou alguns transeuntes, vagabundos, roqueiros modernos, roqueiros goguentos, punks hyppies, universitários, malabares e todas as tribos sempre freqüentadoras do protótipo da Augusta Soteropolitana.

Findada a apresentação dos EFKA’s, os até a pouco tempo desistentes Recifenses do Como desistir?(PE) - http://soundcloud.com/comodesistir - se preparam para se apresentar em terras soteropolitanas. Como desistir, após passagem comprada? (se bem que na vez anterior as passagens estavam compradas), pés em solos esburacados pelo banho de asfalto do nosso ex-crente e ainda (infelizmente) prefeito João Henrique. Sem mais enrolações, pois não sou que nem o Joãozinho "Viajante", então vai lá... Confesso que nunca nem tinha ouvido a Como Desistir?, não imaginava como seria o som, mas por mera displicência do que por vontade, e estive lá para conferir e conhecer o som dos caras. Muitos amigos presentes e eis que começa o som. Estava bem cansado para perceber detalhes que cercavam aquele evento, mas pude perceber que o bagulho estava ensaiadinho e que o maior problema dos caras foi ter deixado o "MIC" aberto para as falastronices do nosso grande amigo Toinho "Malvadeza" que destilou todo seu veneno ao pessoal que faz banda em SSA vai embora para Sampa e de lá faz música para a sua cidade, exaltando-a e cheio de saudosismo, enfim... essa resenha é sobre o show das bandas e não pela performance bêbada das piadas que Antonio soltava no microfone. Voltemos... Os caras soaram para mim como algo mais emocional, guitars com bastante oitavadas, vocal seguindo essa linha de som e bateria e baixo que intercalavam entre partes mais hardcore/ punk e partes mais cadenciadas. Aparentemente os caras estavam cansados, talvez da viagem? Não sei! Braytner, bem ao estilo Rodrigo, a cada música dava uma explicação à letra, demonstrando todo cunho político presente nas mesmas, além de mostrar ser um bom front man e um cara realmente carismático. Apesar de eu não ser muito lá um ouvinte ferrenho do tipo de som que os caras fazem, e de poucas bandas que seguem essa linha me agradarem, tive uma boa impressão, o que me fez cair junto com eles na sessão Entorte no dia posterior. Lógico que também pelo prazer da presença dos caras.

Após a Como Desistir?, é a hora da Toy Destroyer. Eu, particularmente, estava ainda mais curioso em ver a Toy Destroyer do que a EFKA, em especial por ter um grande amigo e para mim um dos grandes guitarristas que já tocaram comigo na banda. Sorte minha vê-lo assumir as guitars novamente, pois assim como Cecelo (que para mim é o maior guitar de SSA, um grande amigo e que também tocou comigo), Tchanka começou a tocar baixo. Desperdício ver esses caras cometendo uma heresia dessas. Deixemos a rasgação de seda de lado e vamos descer o pau nas bandas, pois agora será obrigatório, já que alguns dos nossos poucos leitores que comentam os posts, acham que só escrevemos coisas boas dos amigos etc. e tal. Detalhe que na resenha da primeira banda a se apresentar destacou-se a falta de ensaio, mas vamos lá. Foda-se se eu quiser falar bem ou falar mal, o importante é entreter e exercitar a escrita para quem sabe eu poder largar a música de vez. Um dia tomo coragem, hein? Encheções de chouriças deixadas de lado e a intro do show da Toy Destroyer me agrada. Uma mescla de Hardcore com música Country sem soar forçosamente macho como o Matanza. Apesar de não soar macho como o Matanza, a Toy Destroyer não me agrada sonoramente assim como os cariocas do Matanza. A idéia é boa, os arranjos de guitar na hora dos countrys são muito bons, Bitchuca segura muito bem as linhas de baixo, Marquinhos estava muito preso cantando e tocando (estou acostumado a vê-lo como vocal somente), e o batera que na minha opinião é bem fraco, chegando às vezes a ser imperceptível a presença dele na banda. Creio que um acréscimo de punch e feeling poderiam ajudá-lo a fazer uns arranjos melhores na batera, o que agregaria mais ao som. Vale ressaltar que é uma opinião dada com um olhar mais clínico e não por gosto pessoal ou qualquer coisa do tipo.

Tudo correndo direito, nenhum equipo quebrado para a sorte de Rodrigo e chegava, teoricamente, a vez da ultima apresentação da noite, a banda Ursa - http://vimeo.com/43431352 . Mulecada nova e ainda com muita coisa a aprender, além de beber e querer ser igual a Fabão (rssssss), mas vejo uma certa vontade que o tempo vai fazer os caras amadurecerem musicalmente e tornar o som melhor. A proposta é boa, as influências dos muleques é igualmente boa, o fígado de Iago ainda está bom, mas não tenho muito a falar sobre esse show. Além dos problemas de execução, ocorreram alguns problemas na guitarra que ficava constantemente parando, e o destaque para mim foi par Iago que estava extremamente bêbado e estava segurando certinho as músicas da Ursa. Espero que numa próxima oportunidade, os meninos estejam mais entrosados e menos nervosos, que executem melhor suas canções, pois eu gostei da primeira audição da música que disponibilizaram na internet, chegando até a comentar com o vocal que ele tinha uma boa vocalização. 

É isso! O tempo ajuda em tudo, ou destrói, né?
Na teoria o show estava terminado, mas como de costume os fdps do Rogério e Rodrigo junto com todos outros fdps (incluindo-me nessa patifaria) estendem a merda do evento, fazendo uma jam session, que meu momento como colaborador mais ativo nesse blog me forçam a desistir de continuar com a resenha.

Eu vim para salvar o Rock, assim como o GG Allin veio um dia.

Comentários

Rodrigo disse…
hehehehe pra mim andrei é o melhor resenhista do toma... ou, o que mais prefiro... tlvz uq mais encaixe. apesar da dureza das criticas das de dudu! enfim... bala, bala!
Andrei disse…
Vc acha as minhas criticas mais duras qeu as de Dudu, Digão?

E como, você e minha querida amiga escatológica, Cristal, estão?

Ah... Valeu por me achar um bom resenhista. Acho que isso me motiva a querer deixar a musica. rssss
Eduardo disse…
Rodrigo: Minha críticas são duras que nem meu pau.

E vc também é um bom resenhita aqui do Toma, sua puténha.
Rodrigo disse…
não sei dizer se eh mais dura, tlvz dudu seja o mais duro e vc o mais sarcastico... axu q eh por aí! hehe

estamos bem... andando nas nuvi de mãe diná! acho q vc deve levar a escrita mais a serio na sua vida, mas naum deve largar a musica! hehe

dudu: suas criticas nem são tão duras assim, nem se vanglorie!
não posso dizer que nao cumpri meu papel, ja q fui ameaçado pela accr industry corporation...
Andrei disse…
vc é o cara, Digão.

Tô pensando nas férias e visitar vocês. Que acha? Teria uma vaga no quarto do cachorro para dormir e uma vaga para cobrador de chalana para trampar?
Eduardo disse…
hauahuahuhauhuauhauhahua ou seja, você consegue ser mais ácido do que eu! ahuhahuahuahuauhhuahuahuahuauhah

É, meu pau também não é tão duro assim...então tá tudo em casa.

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Festival Big Bands 2012

Texto: xDudux
Fotos:Quina Cultural, Igor Filgueiras, Mari Martins
No dia 26/10/2012 foi dado o pontapé inicial para mais uma edição do  Festival Big Bands. Na sexta não fui, pois estava torcendo pro glorioso leão e no domingo também não deu pra comparecer já que estava na celebração da décima edição da batalha de rimas Maisum, entretanto não poderia deixar de ir a pelo menos um dia desse tradicional festival e me restou ir no sábado (27/10), onde dentre outras bandas teria a gigante Headhunter D.C., banda local de death metal com prospecção e respeito nacional. Sim por esse show com certeza já teria valido à pena minha ida a Praça Tereza Batista, mas ainda teriam outros atrativos nessa tarde/noite.
A banda de abertura foi a Hessel -http://www.myspace.com/hesselrock - banda instrumental local que seguindo nossa tradição de bandas instrumentais é muito boa! Os caras abusam, sem medo de ser feliz, de efeitos e pedais, dando um resultado final que é uma delícia musical de primeira linha, que …