Pular para o conteúdo principal

Desastre do terremoto fudido Brazil tour 2009


Previsto para começar às 21:00 horas, porém contou com um pequeno atraso, eu até apoio esse pequeno atraso em shows, pois é o tempo de você ir se aglutinando com os demais, trocando uma idéia esperta, tomar uma água ou um refri e ficar no aquecimento para o momento esperado, que é ver a banda que você gosta. E foi nesse clima que HANDSOME abriu o evento. Era um romantismo só, músicas lindas pra ficar naquele clima com sua garota/garoto ou até mesmo para uma eventual paquera. Integrantes do Mukeka di Rato (banda que também se apresentou nesse evento), deram uma canja e ficou um clima bem agradável todos se balançando, alguns cantarolando as doces músicas do Handsome. Após a apresentação alguns fãs comentavam bem empolgados sobre o show. Detalhe para o look totalmente fashion do Japa!


Do romantismo para agressão (sonora, é claro), com uma voz forte (assim como seu corpo) o vocal anunciava: AGRESSIVOS! Banda de hardcore soteropolitana, que ultimamente tem feito alguns shows pela city, tem um público fiel, que batia cabeça insandecidamente. Com uma formação diferente da que estava costumava a ver, a banda apresentou-se apenas com 01 guitarra, o que acho que tirou um pouco do peso da banda, porém não tirou o vigor e disposição de como a banda se porta no palco, e nem dos que apreciam a música dos caras, pois dava pra ver a galera no pogo se divertindo a beça, dessa vez tocaram a clássica "só entra quem guenta" e outros hits da banda.

Novamente: JAPÃO NA ÁREA!! Era vez dos nipônicos do FUCK ON THE BEACH. Um Power trio que dá de 1000 a zero em qualquer orquestra. Puta que pariu!!!!Que pegada forte os caras tinham, além de ser rápido...bem rápido!!!Os caras pareciam bem felizes no palco, pois o público estava adorando aquela desgraceira toda, era um monte de gente no pogo, outros balançando os cabelos, alguns apreciando boquiabertos, outros cantando, enfim todo mundo participando da destruição oriental proporcionada pelos caras.

A bola da vez era o MUKEKA DI RATO, lendária banda do Espírito Santo, que passa um pouco do estilo Vila Velha de ser. O último show dos caras aqui em Salvador, foi um tanto quanto estranho, porém esse foi lindo!!!!!Músicas clássicas, os caras bem empolgados (talvez por ser a primeira cidade da tour), o público adorando aquela zuêra toda. Momentos de êxtase ao tocar "Maconha", "Cobra Criada" e "Minha Escolinha". Adorei o show, superou todas as minhas expectativas. Rolou ainda participação do Japa do Fuck on the Beach em uma música, demonstrando o clima de união que ali havia, união que ultrapassa a barreira da língua, dos costumes e das fronteiras.

Finalizando essa bela noite, de show com excelentes bandas (coisa cada vez mais rara), eles VIVISICK, mostrando qual é a verdadeira J-Music. Infelizmente, por alguns problemas de ordem covarde e imbecíl, muitos dos presentes tinham ido embora, ou com medo de ser agredido ou com receio até que não tivesse show, fiquei porque aqui é que nem o NA MIRA, a gente vai onde ninguém vai!!!Fiquei e não me arrependi, foi uma excelente apresentação, o vocal tem uma presença de palco foda, descendo inclusive para cantar face a face com o público, coisa que admiro muito. Não me contive e caí no circle pit, aquilo tava muito bom, meu semblante triste em ver uma covardia, logo mudou para um sorriso de quem ainda acredita.

Show bom, um preço legal, o som estava ótimo, contudo, poderia ter ido até de manhã, pois esse lance de show terminar no meio da madruga, no centro, é foda, afinal todos sabemos que a Segurança Pública soteropolitana deixa muito a desejar.

Além disso, tinha visto em comunidades do Orkut, ser anunciado que teriam seguranças no local, bem quero acreditar que os seguranças anunciados não eram os motociclistas de um certo Moto Clube, que estavam de cara amarrada, empurrando todo mundo e que o fim da picada foi espancar covardemente um rapaz, sem dar chance para que o mesmo se defendesse ou revidasse, esse tipo de segurança, eu dispenso.

Produtores, shows de hardcore não precisam de seguranças, principalmente seguranças que nada tem haver com o hardcore, pois essas pessoas estranhas que tumultuam. O mais lamentável, foi olhar para as pessoas que espancaram o rapaz e ver que todos eram senhores, que já deviam ter maturidade o suficiente e não ficar brincando de gângster em Salvador nos finais de semana e durante a semana leva uma vida normal, do homem médio.

Agrediram uma pessoa que estava ali para se divertir, o agredido acionou a polícia que prontamente chegou com duas viaturas, metralhadoras e o caralho a 04, criou um clima de pânico e receio, bem no meio do show do Mukeka di Rato, estragaram a festa e no fim foram parar da Delegacia, valeu a pena brincar de ganguêro? E quando chegar em casa, o que dirá aos filhos (acredito que a maioria ali tinha)? Vai dizer que estava brincando de ser ganguêro e junto com a trupe de mais ou menos 11 pessoas espancou um rapaz? Faltou hombridade, faltou bom senso e faltou responsabilidade dos organizadores na hora de decidir que um Moto Clube faria a segurança. Felizmente coisa pior não aconteceu, ninguém foi vitimado fatalmente, entretanto eu não saio de minha casa para ver esse tipo de coisa.

NUNCA VI EM UM SHOW DE HARDCORE A POLÍCIA INVADINDO DAQUELE MODO, OU UMA COVARDIA DESSE TIPO, E ESPERO NÃO VER MAIS.

Na foto: Mukeka di rato


Myspace das bandas que se apresentaram:

Vivisick (Japão)
http://www.myspace.com/vivisick

Fuck on the Beach (Japão)
http://www.myspace.com/fuckonthebeach

Handsome (Japão)
http://www.myspace.com/handsomeandtheheartbreakers

Mukeka di Rato (ES)
http://www.myspace.com/mukekadirato

Agressivos (BA)
http://www.myspace.com/agressivos

Comentários

Valentino disse…
Os motocas devem se achar hell angels.
Pior que levam uma vida normal mesmo durante a semana. Tem até professor de espanhol do Sartre. Pensem!

Os caras pensam que moram em Austin

Beijos na cara de vcs seus vermes sujos do toma na cara
Anônimo disse…
Esse pessoal só é homem quando está acompanhado do seu grupinho de covardes que precisa fazer isso para se afirmar perante a eles e à sociedade...
Um dia eles encontram alguém perigoso e acaba por aí.
Marcelo disse…
Na mira eh violencia men. vc critica violencia e fala do na mira. Isso aqui eh mto bacana não faça apologia a esse tipo de coisa men. faltou mais detalhaes do show. não fui pq tava duro. queria ler mais sobre as bandas. meu broder se saiu pq os caras tavam arrepeiando la dentro. perdi as bandas mas ainda bem q eu não fui pense se levo minha namorada. na moral esse tipo de coisa ta foda.
Marcelo disse…
ah manda mais detalhes dos shows ae1!
Pasquale disse…
marcelo, acho que você filou a aula de português, quando a professora estava ensinando o que era MÊTA-FORA!
rs
bjomeliga.
xToma na Carax disse…
Marcelo,

Quando criamos o Toma na Cara a intenção nunca foi fazer jornalismo sério, e sim ter um espaço para passar a minha visão do evento, o que senti, essas coisas, é algo estritamente pessoal, tendencioso e parcial. Se faltou detalhes do show deve ter sido pelo fato de não ter visto esses detalhes porque estava conversando ou fazendo outras coisas, ou ainda, porque não vou a shows com um bloquinho de notas para ficar anotando e depois editar, geralmente escrevo as resenhas dias depois, e claro que não lembrarei de tudo, principalmente dos detalhes, já ocorreu até de esquecer de bandas. Por isso, devem ter faltado detalhes, aconselho a você perguntar esses detalhes a outras pessoas que foram ao show, e com isso ir construindo em sua mente como mais ou menos foi, porque exatamente como foi só estando no show.

Sobre o Na Mira, sempre quando dar eu assisto, acho que essa questão de apologia é meio discurso de intelectualoide, a violência está ai, basta sair nas ruas e ver, o programa apenas repassa, e choca, essa violência. Claro, com um toque de sensacionalismo para ter mais patrocinadores do mesmo, contudo, citar o Na Mira foi mais uma irônia.

Obrigado pelos elógios feitos.
Anônimo disse…
COnheço alguns dos caras, eles apoiam bandas e fazem alguns eventos em Salvador, acho que tem que ouvir eles para saber exatamente o que aconteceu. Afinal sempre temos que ouvir as duas partes.

Um abraço

Manoel
xToma na Carax disse…
Manoel, a especialidade do Toma na Cara não é cobertura policial. O que me indignou foi sair de minha casa para ver um bom show de hardcore e no final me deparar com uma cena lástimavel dessas.

Além do mais o fato de apoiar bandas, fazer eventos não dá o direito a ninguem que agredir outro. O motivo da agressão, na boa isso pra mim nem importa, o que importa é que ir para um show pra ver neguinho se matando e policial chegando de metrelhadora, bem essa não é minha vibe.

Abraços.

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”. 
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…