Pular para o conteúdo principal

ENTREVISTA COM NERDS ATTACK!


Em mais uma entrevista feita para o blog, trazemos dessa vez um papo que tivemos, via e-mail, com os queridos Nerds Attack! (SP). A banda fala um pouco de como foi a tour pelo Nordeste em 2007, sobre a postura da banda e claro sobre música. Espero que seja uma leitura prazerosa.

1 - Bom para começar esse papo gostaria que falassem um pouco do início da banda. Idéia para formar? Como se conheceram? A proposta e tudo mais.

Nerds Attack!: Como muitos sabem, Fabiano, Xopô e Barreto, tinham outra banda, o F.O.M.I, uma banda de grindcore, o fato é que, principalmente Fabiano e Barreto, nunca gostaram de tocar grindcore, o F.O.M.I já estava à beira do fim, problemas de amizade entre alguns integrantes e tal...Em uma tarde de Domingo, em um ensaio do F.O.M.I, o baterista, que na época era o Jonas (Hoje um dos vocais do Massacre em Alphaville, grande amigo!) não compareceu, Xopô sempre estava Fabiano e Barreto, devido a amizade sempre ter sido forte, resumindo: Xopô que mora perto do estúdio (Espaço Impróprio), correu pra sua casa, pegou suas coisas de bateria e usamos o ensaio do F.O.M.I pra ficar fazendo um som, algumas das músicas da demo, na verdade as três primeiras do Punk Is Nerd?, saíram naquele ensaio, de cara mesmo, tudo na hora. Sempre quisemos ter uma banda mais punk/hardcore, e também queríamos voltar a tocar junto (Fabiano, Barreto e Xopô), ficamos um tempo atrás de vocalista, e Xopô teve a brilhante idéia de chamar o Foca. Basicamente foi assim que surgiu a banda...o resto é história, estamos ai a 3 anos juntos, fazendo barulho e incomodando os ouvidos desavisados!


2 - Falando em inicío, nada melhor que explicar pros leitores de onde surgiu esse nome: Nerds Attack!?

NERDS ATTACK!: Esse nome pra mim tem um duplo sentido, o primeiro é uma referência e homenagem explícita ao grande Scholastic Deth, banda que é influência total para o Nerds Attack!
A outra referência ao nome, vem do lance do anti-esteriótipo do rockeiro malvadão, e da cultura punk em geral, mostrar que o conteúdo sempre se refaz, e que é necessário mudar a embalagem (como diz o Colligere). Uma pessoa pode ter uma banda, expor suas idéias, sem necessariamente ter que se enquadrar a um esteriótipo X ou Y. Você não precisa ser o cara malvadão, ou aquela enciclopédia ambulante de punk rock para fazer parte do contexto, basta ser honesto consigo mesmo. Fazer as coisas que gosta e com as pessoas que gosta. Acho que esse é o ataque dos nerds, o ataque dos que são tão diferentes no meio de gente tão igual.


3 - Sei de alguns projetos paralelos de vocês, o Xopô teve uma época que tocava em todas as bandas de hardcore de SP (risos), Fabiano e Barreto eram do FxOxMxIx, Foca bem envolvido com a organização do QueerFest, mas atualmente fora o Nerds Attack!, quais projetos se dedicam?

NERDS ATTACK!: Musicalmente nos dedicamos exclusivamente ao Nerds, tenho vontade, mas não temos tempo para ter outra banda, já que somos frutos do processo trabalho/produção/consumo. Só o Xopô que é mágico e consegue arrumar horário para tudo e sempre tem outros projetinhos paralelos, essa semana, por exemplo, ele viaja com o excelente Homem Elefante para uns shows no Sul do Brasil.

4 - Apesar de suas almas serem eternamente jovens, todos já estão crescidinhos, e podemos dizer que são "hominhos" responsáveis. O que fazem pra ganhar uma grana? Trabalham? Em que? E já dá pra tirar uma grana legal com o Nerds Attack!, ou isso é algo bem distante da realidade?

NERDS ATTACK!: Fabiano trabalha com Designer Gráfico em uma agência, dá aulas domiciliares de informática, participa de um projeto social de designer gráfico voltado para crianças carentes. Xopô trabalha na maior empresa de Call Center do país como BackOffice. Barreto trabalha com Contabilidade e fica invadindo o sistema da empresa que todos nós sabemos e o Foca trabalha com Antivírus e Segurança de redes. Nosso maior cachê foi num show com o Dead Fish, no lançamento do Contra Todos no Hangar 110, mas nem foi muita grana, de qualquer forma, com essa grana pagamos a gravação das músicas novas que irão sair em breve, “caiu do céu”, viver de banda é algo totalmente utópico no Brasil, não ganhamos nada, só gastamos, ter banda é um hobby caro às vezes, na verdade se não fossemos muito amigos, o Nerds Attack! não mais estaria atacando, estaria hibernando como os ursos.

5 - Acompanho a banda desde os primórdios e adoro ver o Nerds Attack! transitando em todos os espaços, vocês numa semana tocam com uma banda mainstream como Dead Fish, e na outra estão tocando em algum pico ultra-underground com bandas totalmente anônimas. A que se deve essa facilidade em tocar para públicos diferentes e quais são as principais diferenças entre esses shows, Mainstream X Underground?

NERDS ATTACK!: As coisas com o Nerds Attack! sempre rolaram muito naturalmente, sempre que bandas maiores, que gostamos, nos chamam para tocar ficamos muito felizes, acredito que acabamos tendo uma “facilidade” com isso, por que sempre tivemos muito os pés no chão com a banda. Fazendo nossas coisas, do nosso jeito sem grandes pretensões. Com relação às diferenças entre shows Underground X Mainstream, é evidente que em shows maiores, a estrutura física, a logística da coisa toda é maior, mais profissional, é uma realidade bem diferente pra gente, conseguimos atingir um público muito maior. Porém, acho que, comparado à energia, os shows pequenos são mais legais, mais intensos. Quanto menor for a distância entre Público X Banda, melhor.

6 - Vocês fizeram uma tour no Nordeste em 2007, passaram por diversos estados, tocaram com diversas bandas e em diversos picos. Quais foram as impressões desse role?

NERDS ATTACK!: Foram dias inesquecíveis para nós quatro, um role incrível que jamais vamos esquecer, que serviu de experiência e crescimento. Sair de São Paulo, e ver a galera cantando nossas músicas em lugares tão distantes, foi sensacional! Todos envolvidos com a Tour nos trataram muito bem, o pessoal foi muito organizado, fizemos grandes amizades, que muitas delas cultivamos até hoje! Foi além das nossas espectativas. Realmente valeu o Fabiano ter pedido as contas na empresa, Xopô ter abandonado o trabalho por duas semanas, termos tocado o foda-se em tudo! O triste foi a deprê pós-tour que bateu na gente na volta pra casa...Foi horrível a parada... Vontade não falta para voltar e rever os amigos! Saudades sempre da galera do Nordeste, que tem a melhor receptividade do mundo.

7 - Nessa tour vocês estavam divulgando o cd "Punk is Nerd?" e fizeram um CD, edição especial pra tour, com músicas que saíram no Split com a banda Nossa Vingança, porém uma tour desse split ainda não rolou por aqui, tem prentensão?

NERDS ATTACK!: Sim, temos muita vontade de voltar e fazer outra Tour, e tocar em alguns lugares que infelizmente não rolaram. Mas a curto/médio tempo será bem difícil, nossas vidas estão cada vez mais atribuladas aqui em Sampa.

8 - Com o advento da internet (my space, orkut, you tube) tudo ficou mais acessível, e hoje pode se jogar uma música no My Space e o cara da Malásia, por exemplo, está curtindo. Vocês fazem idéia da proporção das músicas do Nerds Attack!, digo, tem idéia até que distância conseguem atingir? Existe possibilidade de um tour gringa?

NERDS ATTACK!: Pelo myspace, dá para ter uma idéia dos lugares onde nossa música chega, realmente a internet democratizou demais tudo. Sobre uma tour na gringa, nós pensamos sim, talvez daqui a uns 2 anos, quando a banda, talvez estiver um pouco mais conhecida lá fora e com alguns lançamentos que estão por vir, isso acontecerá naturalmente.

9 - As letras de vocês são bem versáteis, vão desde temáticas como libertação animal até a forma do nerd se impor na sociedade. Todos na banda escrevem, como é esse processo de composição?

NERDS ATTACK!: Todas as letras da banda feitas até hoje, foram escritas pelo Foca e Xopô. Seja individualmente ou em parceria, os dois são os poetas punks do Nerds. Ahhh, temos uma letra do Kauê Garcia, que mora em Campinas, que fez a arte para nós do split com Nossa Vingança, que é uma letra absurdamente inteligente.

10 - Muito além das letras, sei que vocês mantêm uma postura bem ativa (e porque não passiva?) sobre diversos temas, a homofobia é um exemplo. Vi uma palestra de Foca e Xopô, no Queer Punk Queer Funk, que me deixou bem orgulhoso de ter amigos tão inteligentes e sinceros como ambos, entretanto, gostaria de saber se essa postura anti-homofobia, vegetariana, punk, nerd acaba afastando as pessoas, e até que ponto isso é ruim para banda, pois com isso pode está deixando de angariar mais fãs?

NERDS ATTACK!: Poxa, foi uma grande emoção para nós termos participado de um evento como Queer Punk, Queer Funk, termos conhecido toda galera de Salvador, pessoal da Lumpen, da Caminhando Sobre Espinhos, da Diante dos Olhos, do Solange, to Aberta!... Ô povo cabeça boa, inteligente e com um grande coração!!! E que bom que você gostou do que Foca e Xopô falaram naquele dia, pode ter certeza que foi bem sincero, sem muita teoria, coisas que vivenciamos na prática e que podem servir de algo útil na vida de todos os presentes. Não temos bandas para ter fãs, temos banda para termos amigos e que aprendam algo com a gente e vice-versa... Sinceramente, temos muitos amigos hoje em dia, alguns amigos próximos que podemos contar e conversar sobre qualquer assunto ou problema, que conhecemos em shows, que veio conhecer a banda pela proposta, que veio conversar com a gente sobre algum tema que ele se identificou nas letras ou na postura.

11 - Quais são as influências da banda?

NERDS ATTACK!: Nossas influências são: Discarga (BRA), No Violence (BRA), Limp Wrist (EUA), Jellyroll Rockheads (JAP), Idol Punch (JAP), Razors Edge (JAP), L’amico di Martucci (ITA), Scholastic Deth (EUA), Flash Gordon (JAP)... Posso dizer que essas são as principais influências da banda, ainda bem que perguntou da banda, porque se fosse uma pergunta individual, íamos ter que escrever umas 30 linhas aqui, de Dj Marky à Warsore passando por Buena Vista Social Club.

12 - Sei que vocês já participaram de coletâneas, splits, etc. Vocês podem citar todos os materiais já lançados? E se possível comentem sobre cada um na visão de vocês, o que acharam? O quanto significa? O que mudou?

NERDS ATACK!: Poxa, vamos citar esses dois que são os principais até agora:

- Punk is Nerd? (Demo –2006), nosso primeiro material, primeira experiência do Foca em gravação.
- Split Nossa Vingança (CD – 2008), nosso primeiro split.

Na verdade cada material tem sua história, seu significado e sua mudança, mas no caso do CD Split com o Nossa Vingança tem algo a mais, já que nunca havíamos lançado algo prensado, arte em papel reciclado, deu um puta trabalho, porque era algo que nunca havia sido feito por nenhum de nós e que graças a amizade de todos envolvidos, bandas e extra-bandas o projeto foi se concretizado de forma positiva.

13 - Como vocês vêm a cena hardcore paulistana?

NERDS ATTACK!: Não acreditamos mais em cena e sim em indivíduos, que a partir de suas vontades possam fazer mudanças individuais ou coletivas sob algum determinado objetivo, esse papo de cena serve para você se sentir com amigos ou se sentir protegido, só que isso é uma grande farsa, porque os amigos dessa cena hardcore/punk/sXe não te conhecem 2%.

14 - E em um plano mais abrangente, a nível nacional, como enxergam a cena hardcore?

NERDS ATTACK!: Vale a mesma reposta da pergunta acima, porém a porcentagem cresce, já que a distância faz você sentir saudades, vontade de estar junto ou ainda você sabe que tem muitas pessoas em outros estados que poderiam estar perto de você, que você tem uma grande identificação ou afinidade, mas é assim mesmo.

15 - Indiquem aos nossos leitores músicas para ouvir no talo?

NERDS ATTACK!: Foca recomenda o novo do Limp Wrist e o último 7” do Fucked Up, coisa fina.

Xopô recomenda muito o “Nine Patriotic Hymns for Children” do Born Against, que é uma excelente banda de Nova York surgida no final dos 80’s; pra quem é fã de batidas de hardcore/punk misturadas com guitarras e baixos distonantes e com um leve toque de depressão eu recomendo na tora. Além disso tenho sido bastante influenciado por bandas de hardcore americanas dos anos 80 como Bl’ast (a primeira da lista!), Adolescents, Big Boys, The Fix, The Faith, Descendents (principalmente o “Milo Goes to College”), F.U’s, VOID, Angry Samoans, Marginal Man, Gang Green, Rhino 39, os primeiros do TSOL e por ai vai...mas tem duas bandas em especial que eu recomendo pra fãs de barulho, que são o Smart Cops, projeto italiano dos caras do ex- L’amico di Martucci e o Fix Me lá de Barcelona (Espanha), formado pelo fabuloso finado E150.

Barreto recomenda o novo do Dead Fish, Planta e Raíz, o novo do Rancid, Cypress Hill e o cd "Carlos", do Merda.

Fabiano recomenda, Seein Red, Scholastic Deth, Samian, Satanic Surfers e Propagandhi.

16 - Finalizando, clichê como sempre, um recadinho pra galera.

NERDS ATTACK!: Obrigado pela entrevista, perguntas bem criativas, diretas e de alguém que gosta de nós e que nós gostamos também, aí fica sempre melhor!

Para quem quiser ler nossas letras, trocar uma idéia sobre qualquer coisa e curtir um som, segue nossos meios de contato.
e-mail: nerdsattack@hotmail.com


orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=16361946

Muito obrigado aos queridos amigos do Nerds Attack! por essa belíssima e sincera entrevista...Nerds Attack! continua em nosso corações!!!!

Comentários

Maua BUCVideos disse…
Entrevista com perguntas interessantes e respostas melhores ainda.
Bruno Foca disse…
Ficou bem bacana mesmo!
Obrigado pelo espaço... =P

Bjão
Foca
diego torres disse…
amey a entrevista, parabéns amigo!
**;
Bruxo disse…
Boa entrevista. Bom blog. Num pare não.

Cheers.
x Toma na Cara x disse…
Não pretendemos parar tão cedo.
Anônimo disse…
Aprendi muito

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”. 
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…