Pular para o conteúdo principal

Cobertura: Show com as bandas Rawfire, Chuva Negra e Garage Fuzz no Hangar 110 (SP)‏



Texto: xDudux

Fotos: Divulgação

Dia dos namorados vários shows românticos e melosos por todo Brasil, Djavan e afins ganham toda grana do ano nessa época, porém um casal punk que se preze não vai pra uma merda dessas então fui curtir ao lado de meu morinho um belo show de dia dos namorados no Hangar 110 (SP). O show contou com a apresentação das bandas: Rawfire, Chuva Negra e Garage Fuzz.
A banda de abertura foi a Rawfire - http://tramavirtual.uol.com.br/rawfire - que infelizmente não conseguimos chegar a tempo, afinal como era show de namoradinhos precedia um jantar, como somos punx o jantar foi na padoca em Santana.



Enquanto enfrentávamos a burocracia do Hangar 100 para adentrar o recinto, já dava pra ouvir o Chuva Negra - http://tramavirtual.uol.com.br/chuvanegrapunk - no palco. Entramos e logo fiquei todo besta em enfim ouvir a voz de Cinho ao vivo. Caralho eu pago muito pau pro vocal dele e óbvio que apesar de está vendo o show do Chuva Negra por muitas vezes eu lembrava do Fullheart, banda que marca é foda. Deu pra ver que geral curte o Chuva Negra, todo mundo muito empolgado, cantando as músicas e os caras também bem divertidos no palco mandaram entre músicas do EP "Sempre Verão" e do tão bem recepcionado álbum "Terapia", tais como "1 a 1" e "AMOSP". Pausa para umas piadinhas e tome "Não foda com a noite", porra eu estava ali besta vendo aquele show abraçadinho e não queria mais nada, já estava tudo perfeito, mas não o Chuva Negra sempre supera as expectativas e tocou a minha música predileta: "Alto demais"!!!!!!!!Ai sim hein!





Intervalo de show conheci um amigo da Mari, demos risadas juntos e ficamos ali mais perto do palco a espera do show do Garage Fuzz - http://tramavirtual.uol.com.br/garage_fuzz -. Quando começa o show é uma seqüência de clássicos pra esquentar a noite. "It's Funny" e "Shore of Hope" já valeu o ingresso, os caras ainda me vêm com "Replace" e "Embedded Needs", porra!!Ai painho não guenta. Caralho, foda demais...essa hora eu já conseguia suar no inverno de SP, ai o Garage também que nunca decepciona brindou todos os casais presentes com "Dear Cinnamon Tea”, vish...ai tome abraço, tome beijo! Os caras mandaram ainda músicas que estarão no novo EP, que já estou na pilha de ter. Pelo que vi ao vivo vai ser uma delícia musical! Uma música eu achei com uma pegada bem mais leve, rocker, adorei!!!Principalmente as linhas de baixo a outra já tem mais aquela pegada do hardcore litorâneo dos caras, ou seja, os caras vem com coisa nova mas sem perder a essência, que venha logo esse EP! O show foi finalizado em grande estilo com “When All The Things”, sem direito a bis.

Passei na banquinha do Hangar 110, achei meio miada ai peguei apenas um CD do Chuva Negra e quando olhamos a hora pasmem, o show acabou antes das 00h!!!Chupa Salvador. Na boa mesmo, se em SP que o transporte público funciona bem melhor que SSA os shows conseguem acabar num horário decente para que as pessoas possam voltar pra casa, porque aqui insistimos em sacanear com o público? Ou será que a SSA que a galera mora é diferente da minha, pois a minha buzão é só até às 23 horas e olhe lá.

Ainda rolou um estressezinho básico no estacionamento, uma fita que rolou, mas foi bom que deu pra encontrar Cristiano (Sleep Out/Contra) por lá. Impressionante, nordestino é uma praga está em tudo que é lugar.

Comentários

Chucky Calixto disse…
Falta um pouco de respeito mesmo... e muito por isso tb, fez com que o público se habituasse a chegar depois do horário dos eventos.. Isso nem sempre é bacana pra produção que cumpre o horário... e que assim, prefere atrasar... (ciclo que se repete).

Quanto ao transporte daqui, é ridículo e absurdamente caro, para o fraco serviço que presta.. Em qualquer outra capital é capaz de perceber isso. SP tem sua peculiaridade, as festas começam bem tarde, 00h é o momento que as pessoas saem de casa... Busão rola quase a madruga toda e o metrô volta a funcionar muito cedo e isso acaba abrindo várias possibilidades.

Bacana a resenha... Deu invejinha.. rs
Eduardo disse…
Que nada, eu lembro que adorava fazer isso no Insurgente, começar os shows no horários e sempre por as bandas legais no começo, pra galera perder mesmo, era bem legal ver a galera se lamentando depois pelo atraso e dava certo, pois a galerinha, por um tempo, começou a chegar mais cedo. Acho que temos que voltar a fazer isso, sacanear positivamente o público para que ele se habitue a chegar no horário.

O transporte aqui é uma merda, tipo é R$ 2,80 quase o mesmo preço de SP, R$ 3,00 sendo que aqui os buzão são sucateados e precários em quantidade e qualidade.

Acho que as baladinhas lá começam esse horário, mas pelo que tenho percebido os shows de hardcore são cedo pra acabar cedo, pra galera voltar pra casa, é porque lá, diferente daqui, o público hardcore é jovem e vejo que há essa preocupação. Aqui o público hardcore...bem inexiste. rsrsrsrs


O metrô aqui também começa a funcionar cedo.


Pow...que bom que deu invejinha, sinal que a resenha foi no mínimo legal ahhuahuahuahuauha

:p
Chucky Calixto disse…
hehehehehe... Assim como se criou a cultura do atraso, é possível reverter essa situação com uma cultura da pontualidade, lógico... Entretanto, isso tinha que ser algo geral ou ao menos numa grande maioria dos eventos... e rola exatamente o oposto aqui.

O metrô daqui é impecável... um grande motivo de orgulho.. rs

Ah, lá rola bem mais coisas, começando bem mais tarde... não só baladinhas e boate... rsrs

E sim, tá bacana a resenha... tá algo mais emotivo e menos crítico ou técnico... algo que eu acho mais legal. =)
Eduardo disse…
É...aqui é foda mesmo, mas alguém tem que começar a virar o jogo o que não pode é continuar essa putaria que é!

Aham...novinho vey, parece até que nem foi usado hehehehehe

Isso é pow, mas me referi mais a shows de hardcore, não a shows rockers. Tipo nesse mesmo dia do show tava rolando show da vivendo do ócio na Outs e tipo, pelo que os caras me falaram ia começar lá pras 00h, são partys diferentes, público um pouco diferenciado também.

Que bom, também é algo que prefiro mais na hora que vou ler. :)
Andrei disse…
A nagôland definitivamente é provinciana!!!

Não existe metrô, não existe público para shows de hardcore ou qualquer merda que se assemelhe, não existe comprometimento de público, bandas, organização e técnicos de som.
Acho que a única coisa que não atrasa são as saidas do trio no Campo grande se não paga multa altissíma e os jogos de futebol.

Além dos atrasos, sistemas de transporte e tudo mais que sabemos sobre a falta de infra-estrutura da cidade com cheiro de mijo, ainda temos que conviver com ex-hardcoreanos (hoje rappers) e outros que migram para essa merda para inventar boato de gente que ainda tenta fazer as coisas funcionarem. Uma grande merda! Creio que aqui, devemos fazer essa pegadinha que Dudu comentou. Fazer o show cedo e mesmo que não toque para ninguem, tocar. Começar no horário. E outra coisa: Se Rodrigo ou rogério chegarem tarde, pagar menos ou cancelar o show, saca?!

Ah... sobre a resenha: O Amor é lindo, mas eu preferiria ir para Djavan no dia dos namorados ou estar num motel espancando alguma garota que se recusasse a mijar em mim.

Já sentiu né?
Como diria Braytner: Yo soy "ódio puro e concentrado!
Eduardo disse…
Andrei, até os blocos atrasam hahuauhauhauha os jogos até que são pontuais.

Tem que ser assim mesmo, se continuar desse jeito vai continuar a mesma merda sempre.

Ou ainda você poderia estar no Motel, espancando Djavan e vendo a garota mijando nele, não seria melhor?

E esse negócio de migrar pra algum lugar eu só digo uma coisa: "Ou você é, ou você nunca foi". E vamos pra frente que a caminhada é longa.
Andrei disse…
ou é, ou nunca foi é a melhor coisa que já ouvi.
Eduardo disse…
Cê nasceu de 7 meses foi?

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”. 
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…