Pular para o conteúdo principal

Cobertura: Coletivo das Ruas apresenta



Texto: Andrei Junquilho

Show praticamente marcado de última hora, bandas confirmadas não poderiam tocar, e a grade, que parecia comprometida por essas desistências, em algumas ligações foi fechada com bandas de pessoas que fazem parte do Coletivo das Ruas.

Dessa vez sai de casa um pouco mais tarde com intuito de chegar realmente atrasado devido aos atrasos rotineiros dos shows soteropolitanos, mas pasmem! Eis que chego no recinto e o som já estava sendo montado. Palmas para o horário cumprido! Dessa vez falou e fez, hein Digão? Acho que o dialógo inicial da resenha anterior te fez refletir. Pois bem, tudo montado, alguns transeuntes, mendigos, cachorros e ambulantes já a postos, além é claro da primeira banda: Últi Mos (antiga Weise) - http://www.facebook.com/ulti.mos.1 -. Surpreendentemente fiquei na curiosidade e cheio de pré-conceitos achando que o som seria um indie-pós-moderno-universitário com pitadas de samba, bossa nova e samba do recôncavo. Confesso que sou um chato, que ouço muita coisa disso, mas que ando enojado com o cenário daqui, onde somente quem tem espaço são os pseudo-intelectuais, não dizendo que Paulo, Leo e Maicon sejam desse mitiê, mas ando meio cansado de Radiola, Pirigulino Babilake, Ronei jorge e outras mais que fazem questão de serem caxias e maduros apenas por terem influência direta da música brasileira e outros temperos retrôs-pós-modernos (lá vem eu ácido e inventivo a ponto de criar nomenclaturas e aforismos). Deixemos de andar em círculos em nosso textículo e vamos ao que interessa. Destoa troncho o primeiro acorde e fico surpreso com o feeling do bagulho, Sonic Youth, Radioread, Pixies, Ramones, Joy Division? Bate num liquidificador isso tudo e terá uma lisergia sonora, algo bem noise, chegando a soar para alguns ouvidos "True Metal Fucking Hostile" sem educação musical que transitam pela rua calorenta, ensolarada e tropical (aqui não é a Noruega), como guitarras desafinadas. Ótimo!!! Se a proposta é criar sons, ruídos e acordes dissonantes e  a partir da externalização do que os caras vivenciam e escutam, a idéia foi como um soco no ânus, um tiro na têmpora. Muito bacana e bem executado, trazendo cadência, atitude, troncheira, climão deprê e explosão punk, além de geladinho de cachaça, e como diz o velho e massacrante ditado, que não podemos usá-lo quando nos referimos ao Rubinho Barrichelo: "os últimos serão os primeiros". Bora Maiconnnnnnnn.

Depois dos Últi Mos a segunda banda a se apresentar, velha conhecida das Ruas, com seu front man Fabão, um velho conhecido das Ruas do Rio Vermelho e adjacências, Fracassados do Underground – http://www.myspace.com/bandafug -, banda que eu, particularmente, gosto muito, não só pelos cara serem divertidos e bons companheiros e de boa prosa, mas pelo som cru, diretão e sem meias palavras, que executam. O set foi longo, com musicas do split, covers e a repetição da sempre tocada e pedida no Top 10 MTV, “Durmo Acordado”. Quem já viu o show dos caras, sabe como é, para quem não viu, pode até pensar que Fabão tem alguma deficiência na fala, mas é assim mesmo, seu estado natural é não estar sóbrio. Enfim, mas uma ótima apresentação, e dessa vez peculiar, pois não houve confusão quando executaram o cover de “Six Pack” do Black Flag.

Como de costume, por estar sempre resenhando, não posso ouvir boas palavras sobre o conjunto musical que faço parte. Gosto de massagear meu Ego, Dudu, por que você faz isso comigo? Preciso saber que sou bom em alguma coisa mano e resenhando não posso falar que a minha banda é foda, que somos bonitos, apresentáveis, etc. e tal. Mas enfim, eis, que obrigado (lê-se intimado) a fazer a resenha, surge o Tsunami Baiano (SUPEREGO em alta) Aphorism - http://soundcloud.com/diogo-og/aphorism-regozijo -. Já que é para resenhar essa porra, vamos lá. Vou rasgar seda para mim e para meus companheiros, eu me amo! Tô com a estima lá em cima. Brincadeiras a parte e seguindo na seriedade de costume, a Aphorism executou um set tenso, para variar, com músicas que estarão no seu ep, ainda sem nome. Com maior climão Crust/Drone/Sludge/Grind/Post-Rock, integrantes que se entregam aos seus instrumentos, sendo que o que mais se entrega é o nosso querido Rois, lembrando que se a farinha é pouca meu (e da namorada dele é lógico) Pirão primeiro, um grande guitarrista, na minha humilde opinião. Diogo, um grande baterista, mas infelizmente é um retirante, então não podemos encher muito a bola dele, se não influencia o êxodo urbano e a migração alagoana em terras soteropolitanas. Não ofendam-se, politicamente corretos, isso não passa de piada interna! Para finalizar a auto-idolatria, destaco o cover do Nasum, “Inhale/Exhale”, e a auto-flagelação oriunda de influências minhas, que vão desde Hoax a Bubute (Rodrigo Chagas e mics nas calças), passando ainda por uma pequena dose de GG Allin (ainda não chego a tanto, nem sei se há coragem para tal).

Por falar em auto-flagelação, performances matadoras e vocalistas insanos, fiquei surpreso com a apresentação da Dispor - http://dispor.wordpress.com -, pelo menos Antonio (vocal) estava contentão, talvez por seu fiel escudeiro, Vicente "el Grand Cretino" ter passado na UFBA... "Vicente diz: - Passei na Ufba otários. Vocês não! Passei para Letras, mas vou mudar para Sociologia, e vou estudar Antropologia." Isso aí, Vicente, não sei se fico feliz por você ou se fico preocupado. A Ufba não é um bom lugar para quem procurar uma ReHAB, enfim, voltemos ao concerto. Dispor, banda que por mim não acabava, PUNKada de primeira, um set curto, creio que 30 minutos, de vez em quando problemas na aparelhagem, acho que mais por Toinho se bater nos fios, mesa, amps e em Piu (Baixo). Showzaço! Coeso, cruzão, explosivo e com performances Hoax de Antonio, deixando o Príncipe cabreiro de ele invadir a barraquinha e destruir tudo.
Como sempre, não sei e nem lembro nome das músicas, nome de pessoas. Sofro de perda de memória recente, a única lembrança é que mais uma vez o Coletivo das Ruas fez uma ótima confraternização, mostrando que ainda somos resistência na terra que fede a mijo e que predomina a espécie dos Brahmeiros e Praieiros de tattoo mahori, igualzinha a do Léo Santana.

Vida longa ao Coletivo das Ruas!

Comentários

Andrei disse…
Rapaz, só nos faltam fotos dos shows, hein?
Eduardo disse…
Ow...ninguém tira.
Anônimo disse…
o melhor da cena de salvador tem o nome de MARCONI.
Paulo f d disse…
hahahahahaha soco no anus!
Anônimo disse…
você consegue se expressar melhor quando fala de bandas que você não anda gostando ultimamente do que as resenhas positivas dos shows que você viu dos caras aê... rs
Eduardo disse…
E você é uma puta que se escondo atrás de um anonimato.
Vicente (Opcional) disse…
Hehehe.. resenha legal, só não gostei muito de uma parte! ¬¬ ehauheua
Eduardo disse…
bauahuauhauhauhahuahuauhahuahuauhauhauhauhabauahuauhauhauhahuahuauhahuahuauhauhauhauhabauahuauhauhauhahuahuauhahuahuauhauhauhauhabauahuauhauhauhahuahuauhahuahuauhauhauhauhabauahuauhauhauhahuahuauhahuahuauhauhauhauhabauahuauhauhauhahuahuauhahuahuauhauhauhauhabauahuauhauhauhahuahuauhahuahuauhauhauhauha
Rodrigo disse…
baphorism ta froids!!!
Andrei disse…
Rapaz, mostra a cara imbecil!

Eu não gosto de roney Jorge e Cia, nem preciso ir para sampa estudar designer para fazer música com saudade da bahia.
Eduardo disse…
Bota a cara ladrão!

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…