Pular para o conteúdo principal

Cobertura: Coletivo das Ruas apresenta‏




Texto: Andrei Junquilho

“Rodrigo diz: - Todo show que faço o som, chego três horas antes para montar tudo. Nunca atraso!
Antônio retruca: - Beleza, Véi! (Risos)”.
Após esse dialogo, exatamente dia 07/07/2012, o som marcado para às 19:00 h, pela lógica da conversa tida entre Antonio e Rodrigo, era para Rodrigo está às 16:00 h no local do som. Enfim! Essa conversa só foi para encher chouriça e aumentar algumas linhas dessa resenha. Eis que vamos até a resenha.
Show confirmado na quinta feira, pouca divulgação, embora tenham surgidos algumas polêmicas em torno desse show. Boatos! Simples assim! Tudo isso é bastante costumeiro na cidade que cheira a uréia e crack, mas deixemos isso para lá e foquemos no show do Coletivo das Ruas. Serei rápido e tentarei expressar todo o evento em poucas linhas.

Primeira banda a se apresentar: Renegados of Planet - http://tramavirtual.uol.com.br/renegados_of_planet -, confesso que nunca tinha ouvido falar e fiquei curioso para saber do que tratava-se, porém a primeira impressão não foi lá muito agradável. Achei que pelo tempo de banda, segundo Doriva me contou que já estão juntos a algum tempo, iriam me surpreender, mas o que pude notar foi um pouco de falta de entrosamento. Ensaios, na maioria das vezes servem para solucionar esse problema, mas quem sou eu para dizer que os caras não ensaiam? Apesar desse problema e das músicas dos caras não soarem bem "coladinhas" o público parecia contente e agitava a cada canção que os Renegados tocavam. Ponto engraçado e comentado durante, e após, o show foi a visão que tivemos de um cara com a camisa do Bahia, bastante alegre apesar da derrota do tricolor para o time da Estrela Solitária. Ele pogava estranhamente, parecendo um mamulengo em pleno centro histórico recifense. Sensacional!!! Ganhei a noite, e garanto que Dill também, depois de darmos uma conferida nos "passos descompassados" (paradoxo dos infernos) do carinha que estava pogando.

Após a apresentação dos Renegados, espero que a segunda audição deles me faça mudar a idéia passada nas linhas anteriores, seria a Wändä Cheese a próxima a apresentar, mas como Rodrigo e Rogério iriam apresentar-se com uma banda tributo aos Novos Baianos em um bar (Visca) perto do evento do Coletivo, passamos a bola para eles, para que pudéssemos conferir a reunião da Capitalixo – http://www.myspace.com/capitalixo -, projeto que os caras tinham a tempos e que se dissolveu por motivos que não sei, mas que nesse dia estavam a executar o bom e o velho hardcore. Como sempre fui fã, ou melhor, quase fã, pois não sou fã de ninguém e como Dudu disse em conversa com Dill: "Andrei é quase fã dele mesmo", e é verdade, sou quase fã de mim mesmo... um dia chego lá! Chega de encher chouriça, novamente, e vamos cumprir a promessa de acabar logo com essa resenha em poucas linhas. A formação da reunião foi apenas um duo. Nilinho e Pedro (ex-integrantes da Capitalixo), por motivos particulares não fizeram parte dessa reunião, mas a formação "Cosme e Damião" nos agradou bastante. Executando músicas da fase Nilinho e da fase Pedro, além de covers do Discarga e do Escato (R.I.P) grande expoente do Anarco-Punk nacional. O show foi bacana, ainda contou com as serradas de Mic de Antonio, Dudu e Doriva. Diversão garantida, dinheiro na sacola (Rodrigo poderia ser pastor. Sabe pedir dinheiro, viu?!), e em mim, pelo menos me trouxe uma coisa boa esse show. Pude conferir Rogério tocando hardcore novamente. Esperaria que ele fizesse um dia outro som bagacento, após seu ultimo projeto, Hoje Você morre ter declinado. Ah!!! Ia esquecendo a participação de Carlinhos (Irmão Carlos e o Catado) num cover de "Vou fazer Cocô” do conjunto Garotos Podres. Coisa fina!

Show dos caras acaba, eles levam um dos amps para o Visca, e quem toma a vez é a pior banda de todos os tempos surgida em nossa cidade: Wändä Cheese - http://www.facebook.com/WandaCheese -. Isso mesmo! Eu acho uma merda escrever sobre a banda da qual você faz parte, mas como sendo a "Wandinha" uma banda descompromissada, ruim, zuadenta e sem meias palavras, eis que mais uma vez sou obrigado a fazer a porra da resenha. Cê me paga, Dudu. Na Wändä Cheese existia um clima de reconciliação e um certo desconforto por boatos, o que traria para as nossas cabeças doentes um arsenal de piadas e afins, mas até que fomos maneiros e nos focamos em conseguir a façanha de executar o set list do disco, reduzido a apenas 7 faixas + a intro (músicas contidas no  debut album lançado pelo Selo Russo - The Monster of Zazanov not is Dead, intitulado – “Meu escritório é o Pelô”). Em clima de UFC, inspirado pelo grande piadista Chael Sonnen, deferimos piadas e porradas no público. Wändä Cheese é uma grande pedida para quem tem mal gosto. Um misto de CQC + programa Silvio Santos + Narração de BAVI pela AM + minhas resenhas + Powerviolence. Aposto que Varg Vikernes iria amar tudo isso e iria beber umas cervas com Doriva, além de querer fazer a versão de “Ezra Scriba (aquele que ajuda)”, cantada em sua língua nativa.

Cansado após a péssima apresentação da Wändä Cheese, saio para comer e voltar a tempo para pegar a volta da Orelha Seca - http://www.myspace.com/orelhaseca -, mas a porção extra de leite condensado do Suco 24 h me fez perder o tempo, então passo a bola para quem estava lá para conferir a volta dos caras.
Orelha Seca se aprontando pra tocar, expectativa muito grande de ver após uns anos essa banda, com nova formação, Jobson assumindo a batera, porém como os caras da Renegades tinham que ir embora, eles tinham que levar os pratos, e Jobson (Raçudo) tocou só com o chimbal, pois ele esperava que levassem os pratos pra ele usar, mas isso num impediu da festa continuar, eu particularmente não conheço as musicas antigas do Orelha seca, mas vendo Mano Doris cantar e tocar baixo naquela energia, putz foi foda, mesmo com Monstrinho errando e parando de tocar no meio das musicas eu gostei do show, só falta mais entrosamento.

Comentários

Andrei disse…
A concordancia ta errada. Era para rodrigo está (está errado) era para ser "Era para Rodrigo estar).
Andrei disse…
lembrando que a rersenah da orelha seca foi Diogo quem fez
Eduardo disse…
Ah foi???Porra...pensei que vc tinha feito sozinho. Mas Diogo não merece créditos, ele é retirante.

E a concordância não está errada, eu deixei como se estivesse falando mesmo.
Anônimo disse…
porra foi foda aquela noite porra nao tinha nem mais animo ..pra toca
Andrei disse…
mostra a cara mister m
quem é esse anonimo ai?
Eduardo disse…
Deve ser Maicon
Andrei disse…
a resenah de maicon sai agora
Eduardo disse…
Já tá editada, depende de Gabriel agora.
Jobson Dias disse…
dei uma lida, bacana a ideia, segunda vez que leio... e acredito que ficarei mais atento aos novos.
Eduardo disse…
Opa...que bom Jobson, sempre é bom saber que alguém lê essa merda.
Jobson Dias disse…
KD, vamos tentar fazer um evento Dudu e se rolar vc vem pra poder comentar?

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…