Pular para o conteúdo principal

ESTOPIM apresenta: WAR CRY


E a Estopim Records mandou ver nesse começo de ano. Além de trazer uma banda de fora do estado (vide post anterior), trouxe para tocar em terras baianas a banda norte americana War Cry, banda esta que conta com membros de bandas conhecidas como Tragedy e From Ashes Rise. Sente o drama!

Em uma noite onde tinha uma banda gringa, o último show de uma das bandas de hardcore baiana com maior representatividade nacional e um show de reunião da Escato, a HOMEM METEORO - http://myspace.com/homemmeteoro - parecia que ficaria ofuscada, apenas parecia. Esse foi o primeiro show que vi da banda após a saída do baterista Carlos, e sinceramente eu não acreditava que alguém conseguiria manter a mesma linha de Carlos, baterista que sempre admirei, mas Heider conseguiu fazer isso com maestria e melhor, deu uma pegada mais grind a banda que pra mim ficou excelente. Babei ainda com a apresentação individual de Tchanka, "o cheio de dedos", puta que pariu!!!!O cara estava arrupiando na guitarra. A banda executou músicas do EP "A saga do incrível Homem Meteoro", todavia me impressionei bastante com as músicas novas, estão numa pegada mais metal fugindo bastante do que chamam de Deathcore, ainda bem! Inexiste breakdowns nessa banda, é pura bagaceira e brutalidade sonora, e Andrei está em sua melhor forma, lembrando os tempos da Ira de Gaia. Sinceramente esse foi um dos melhores shows que vi da banda, só não foi o melhor porque fizeram um show no Bar do Magno foda, mas isso é assunto para outra resenha. Não poderia deixar de fazer menção a versão 666 de "War" do Bob Marley, desconstruir uma música a ponto de ficar tão boa é coisa de mestre.

Após o ódio lançado pela Homem Meteoro, a ESCATO - http://myspace.com/escato - começa sua apresentação. Eu estava bem ansioso para ver os caras ao vivo novamente, relembrar os bons tempos de Insurgente e confesso que nem de longe foi o melhor show da Escato que eu vi, mas é óbvio que valeu muito a pena, afinal Escato é Escato! A banda estava com um desfalque no baixo, pois Frank não estava aqui em Salvador, porém Túlio Xavier (Lumpen/Egrégora) assumiu com bastante competência esse posto. A Escato fez uma viagem no tempo tocando músicas desde a fase mais punk até a fase mais rápida, crust, para fazer a alegria de todos. Léo continua com seu vocal característico e que deixa saudades, afinal o sacana vai retornar para Europa em breve. Já Nal, sacaneou e não quis por a camisa na cara, TRAIDOR! hehehehehe e no fim das contas não tocaram "Madrugada Snistra", mas ao menos tocaram "Igrejas", então tá valendo!

Hora da despedida, mas nada de clima de velório no show da LUMPEN - http://myspace.com/xxxlumpenxxx - Creio que muitos dos presentes estavam ali apenas para se despedir dessa banda tão importante para o cenário underground soteropolitano, pena que para algumas pessoas irem a shows tenha que ser um show de despedida, será que teremos que acabar todas as bandas de hardcore para darem mais valor? Enfim, a Lumpen se despediu em grande estilo tocando várias músicas que a tempos não executava, a exemplo de "Fome" música da Sem Acordo, gravada no Split 4 Cavidades, 1 Coração pela Lumpen, que para mim foi o momento de mais êxtase no show dos caras, além disso rolou outra música que gosto pra caralho, que é "ZPE" e participações especiais de Rangell (Versu2), na música "Na Caminhada", música da Versu2 que ganhou uma roupagem hardcore pela Lumpen, lançada na Mixtape Quintessência Profana e Léo (Escato) que participou na música "Nossa Fúria", de autoria da Escato que também foi homenageada pela Lumpen na mixtape. Para deixar de vez marcado o show de despedida os caras brindaram os presentes com o cover da Sem Acordo "Eu te amo", música que é um clássico do hardcore nacional. Ao final do show Robson "Véio" fez alguns agradecimentos e aproveitou para anunciar a entrevista que ele concedeu para o Tomanacara que sairá no próximo post. Aguardem!

Ficou difícil para o WAR CRY - http://myspace.com/156769692 - tocar depois de um puta show da Lumpen, mas os caras conseguiram e botaram pra fuder. Eu não sei da onde o vocal tirava tanta agressividade, mas o cara era sinistro demais!!!Eu já estava preocupado em ele puxar um 3oitão e sair tacando bala em todo mundo. O cara era empolgado demais e sua empolgação contagiou o público presente, além disso as próprias músicas da banda dão uma instiga para violência demais. É a típica trilha sonora para o caos. A banda não dava tempo para ninguém respirar, era uma música atrás da outra e quando menos esperei...FIM! Foi como um espancamento rápido, daqueles que você soca a pessoa até ela cair e sai, sem muita conversa. O War Cry foi assim, espancou meu ouvido, me deixou instigado e saiu sem sequer dá um "até logo". Esse espírito punk agressivo, me deixa bastante feliz e às vezes faz uma falta aqui em Salvador.

É isso, fim de show! E a Estopim Records mais uma vez de parabéns, que a Estopim continue incendiando nesse 2010 os bares, pubs e casas de show de Salvador.

Comentários

wiltonsn disse…
Fudidoooooooo

E Andrei em sua forma? Só se for de bola
hahahha
Valentino disse…
isso é pra quem acredita. Eu ainda acredito. hahaa infelizmente.
Abraços

Andrei
Anônimo disse…
Quando o evento não presta só os mesmo do blog comenta e os pirus uahguahuahah.

Vcs tem que continuar mesmo fazendo resenha do palco do rock aí sim teram mais cometarios kkkkkk

Mais o pior que é de ano em ano então vai ter que esperar mais uahuahuahuaha
Eduardo disse…
Wilton: Não me referi a forma física, esta continua lastimável.


Andrei: Noiz!

Anônimo: Gato, eu não vivo de comentários e se o blog fosse depender do Palco do Rock tava fudido, porque como você bem disse...é um evento anual, por hora continuaremos jogando nosso tempo fora resenhando eventos que não presta e nos divertindo com os comentáriod e PUTAS que nem você.
Andrei disse…
Mostra a cara mister m
hahahahaha

Porra... Isso é despeito. Nós sempre criticamos e mostramos a cara. Uma vez até eu, bolha e rogério tivemos nossos perfis de orkut copiados e colados pela galera daaccr como agitadores que são contra e tal. hahahah...
Vale a pena resenhar festas de amigos e é bom ter pirús do blog comentando, isso quer msotrar que temos pirús e quye o pdr não tem e que os comentários são diversos pq temos em que meter o pau.

Cs precisam consertar muita coisa no evento de vocês, e acho que deveriam acabar com esa merdinha de ficar apontando os que não curtem o que vocês fazem e fazer o de vocês. É por essas e outras que a bahia é a terra do axé e é por essas e outras que existem bandas dos pimórdios da civilização que mal gravaram uam oisa ou nem tem nada gravado e se gamab pelos anos de estrada. Estrada? han?
Correçãozinha: Creio que muitos dos presentes estavam ali apenas para se despedir dessa banda tão importante para o cenário underground soteropolitano .. soteropolitano nao, cenario nacional hehehe a Lumpem é uma banda muito foda, que eu respeito muito e que eu ainda vou ver tocando, mesmo que estejam de despedida haahaha nao me importa, eu quero ver.

adiciona agente ae no blog :)
beijos :*
Prefiro um show com a lumpem, do que um evento que tenha 3 de 500, que prestem. Issae!

Waycry é foda tambem.
Rodrigo disse…
É o tal do ódio social que eu tanto cobrei de vc e doriva na gravação de derrube o muro! hehehe

de vez em qnd faz uma falta naum!!! quase sempre!!! (sobre o espírito punk agressivo)
Eduardo disse…
Chuva Negra: Boa correção, assino em baixo!!!!É eu também prefiro esse tipo de eventos que citou, mas tem gente que não né? fazer o que hehehehehehee

Rodrigo: Pra eu chegar naquele ódio todo eu tinha que tá muito puto com algo uhahuahuahuahua, e concordo, quase sempre falta.
Vi_Trindade disse…
Porra essas bandas ainda existem? Caralho!!!!
Vida longa ao rock and roll, vou voltar a ir aos shows.
Bjão!

Viviane Trindade
Eduardo disse…
Existem!!!!Ainda bem, e compareça mesmo aos shows, continua sendo um programa agradável.

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”. 
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…