Pular para o conteúdo principal

Entrevista com: Bruno Carvalho



Entrevista por: xDudux


Fotos por: Arquivo pessoal; Rafael Kent e Balde



Mais uma entrevista fina em nosso blog escroto. Desta vez conversei com Bruno Carvalho, jornalista, Guitarrista e vocal da Pessoas Invisíveis e Guitarrista da The Honkers. Como sempre, pra tá aqui tem que ter o espírito Tomanacara: Real e Original, ou seja, o cara não tem papas na língua. Divirtam-se e se deliciem com esse jovem roqueiro com alguns KMs de rodados.




1. Pra começar fale sobre suas atividades musicais e extra musicais.


Sou guitarrista do The Honkers, e vocalista e guitarrista do Pessoas Invisíveis. Já toquei em outras bandas como Vendo 147, Satélite do Amor, Mambanegra, Fontaka, Fuzzy, Nicest, Ladyllama. Além disso, sou jornalista, trabalho numa assessoria de comunicação, sou correspondente local do portal Terra (http://www.terra.com.br/), e faço os cadernos especiais do jornal A Tarde.



2. E seus gostos... o que ouve no dia a dia? Sei que gosta muito de som noventista, além disso, o que mais lhe agrada?


Eu acho que não renovei muito meu gosto dos anos 90 pra cá. Hehe! Eu ouço rock basicamente, mas não tenho nenhum preconceito com nenhum tipo de música. Se é bom, eu ouço... Gosto das mesmas coisas de sempre, ou seja, Sonic Youth, Nirvana, Pixies, Dinosaur Jr, Mudhoney, Melvins, Fugazi, Rocket from the Crypt, Superchunk, Hurtmold, Queens of the Stone Age, Jon Spencer Blues Explosion, Ronei Jorge e os Ladrões de Bicicleta, Sebadoh, Bad Brains, Stooges, Vivendo do Ócio, Cidadão Instigado, Subaquático, etc.



3.A Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - está finalizando o processo de gravação do segundo álbum, como vem sendo esse processo todo?


Desde que lançamos o disco anterior tivemos muitas mudanças na formação da banda, com três bateristas (Glauco, Voltz e Jera) e dois guitarristas (Deco e Matheus) diferentes, o que obviamente atrapalhou muito a gente. Quando ganhamos o prêmio de melhor disco no Prêmio Bahia de Todos os Rocks, rolou uma empolgação legal nossa, mas as mudanças fizeram com que a banda tivesse que parar e começar do zero muitas vezes, o que fez com que não tocássemos nesses últimos anos tanto quanto gostaríamos.

Quando começamos a gravar o segundo disco, Deco ainda tocava na banda, mas saiu logo em seguida. Só uma música foi composta com ele. A entrada de Matheus (ex-Mirabolix) na banda foi muito importante porque ele ajudou muito nas composições, deu uma cara diferente ao disco, mais pra frente, do jeito que era pra ser. Matheus é estudante de música, entende muito da parte teórica, o que foi muito importante, e além de tudo trouxe uma empolgação, um sangue novo que estávamos precisando.

Gravamos, nós quatro numa sala, tocando ao vivo, como deve ser. Depois inserimos vozes e pouquíssimos overdubs. O que foi registrado é o que vamos tocar ao vivo. Não tem truque, não tem tecladinho, não tem coralzinho a la Beatles. Nada! É uma banda de rock tocando rock. Aliás, vale ressaltar que o clima das gravações é o melhor do mundo. A gente ri o tempo inteiro, fala besteira o tempo inteiro. Tá todo mundo junto sempre, almoçamos juntos depois das gravações. Divertido, informal e prático, como uma banda de rock deve ser.


4. Já tem previsão de lançamento?


Falta apenas a mixagem e masterização. Vai ser lançado esse ano, com certeza.





5. Tenho ouvido por ai rumores de que Jera Cravo(Baterista/Pessoas Invisíveis) vai viajar para o Canadá, confirma essa informação? E em caso positivo qual será o futuro da Pessoas Invisíveis?


Essa pergunta é mais fácil ele responder. Mas honestamente não vejo muito futuro na banda sem um de nós quatro...


6. Como foi para você abrir um show do Mudhoney?


Foi foda. Bem foda. Sensação incrível de fazer parte daquilo tudo. Não é algo que se imagina quando se começa uma banda. Se alguém me dissesse “Bruno, sua banda vai abrir um show do Mudhoney em Salvador”, eu ia rir, dar de ombro, achar que seria algo impossível de acontecer... Mas rolou e foi incrível.



7. Vamos falar agora da The Honkers - http://www.myspace.com/thehonkers - Como está a banda? Planos para lançamentos em vista?



A banda está como sempre. Hehe! Estamos voltando a ensaiar, tem duas músicas novas que vão virar um single, e que deve ser lançado por um selo novo de Salvador. Esse mesmo selo quer lançar um EP com seis músicas mais “garageiras” da banda. Eu espero que tudo isso role, até pra dar um novo empurrão na banda!



8. A The Honkers é uma das bandas que compõe um rol escasso de bandas baianas que conseguiram excursionar pelo Brasil e exterior. Conte um pouco como foram essas tours e como foi tocar fora do Brasil?


A gente já tocou bastante fora. Muito mesmo. Fizemos uma tour em 2004 com 29 shows em 35 dias. Fomos até a Argentina – lugar de gente muito bacana, porém meio maluca! Hehe -, onde fizemos dois shows, e passamos ainda por Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Goiás, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Sergipe, e obvio, Salvador! E antes e depois disso tocamos em muitos festivais como Festival de Verão(BA), Mercado Cultural(BA), Palco do Rock(BA), e Big Bands (BA), Punka (SE), Coquetel Molotov (PE), PsychoCarnival (PR) e Do Sol (RN). Fizemos shows em lugares muito foda, com uma puta estrutura, e também em barrancos horrorosos. É divertido fazer tours. Claro que chega uma hora que ninguém se entende, e ai qualquer “Bom dia!” vira briga! Hehe! Mas é uma experiência bem legal sair com seus amigos num carro, cruzando o país com sua banda de rock!




9. Recentemente vocês (The Honkers) fizeram um show em uma das esquinas do Rio Vermelho, a um tempo atrás vi outro show da Honkers numa praça da Cidade Baixa. Sinto que vocês combinam bastante com esse clima de rua, para você como foram esses shows? Rolaram outros nesse mesmo esquema? E o que sente em apresentações tão expostas como estas?



Velho, show do Honkers é meio que nem uma bomba relógio né? Às vezes as coisas saem um pouco do controle, mas 99% das vezes da tudo certo! Hehe. Eu adoro esses shows na rua, pra galera, todo mundo curtindo, dançando. O público da Honkers é demais por conta disso. Não são tantos, mas geral se entrega muito, dança pra caralho, curte, pula. Eu sinto que a banda realmente significa algo pra uma parte dessa moçada.

Um dos shows que fizemos na Argentina foi no meio da rua, foi bem legal também. Lembro que a voltagem lá era 220V, o que fez que a fonte dos meus pedais queimasse, e que Thilindão (nosso baixista) tomasse um choque espetacular. Hehe! Em Recife já fizemos dois shows no meio da rua, no Recife antigo, que foram bem fodas.

Aqui, a gente nesse esquema no Mercado Cultural, numa praça no Largo de Roma, na cidade baixa. Lembro que tinham muitas crianças. Na antiga São Rock, também rolou em 2004, mas eu não tocava na banda na época.



10. Pessoas Invisíveis X The Honkers: O que há de semelhanças e diferenças entre essas duas bandas, em sua visão?


O Pessoas Invisíveis é um rock bem barulhento, mas com muita melodia, pautado em bandas dos anos 90 mesmo. Não sei definir, honestamente. Mas é rock, pra frente, divertido. Divertido pra gente, pelo menos. O Honkers é a bagunça, a diversão, a maluquice. Garage-rock, ska, rockabilly, punk, tudo misturado, e batido no liquidificador. As bandas são realmente dois universos distintos, mas a graça pra mim é essa...


11.A Pessoas Invisíveis chegou a fazer shows fora do estado, como foi? Foi mais tranqüilo pelo fato da experiência com os Honkers?


A gente tocou no Rio de Janeiro em 2006, numa casa de show bem foda chamada Vivo Rio, abrindo o show da Maria Rita. Hehehe. Bem nada a ver, mas rolou e foi muito foda! Tocamos também em Aracaju, no Festival Nada Pode Parar o Rock, com Júpiter Maçã (RS), Vamoz (PE), etc, e também foi bem massa! Fizemos ainda alguns shows em Feira de Santana (BA) e Camaçari (BA), sempre muito bom!



12. Qual sua opinião sobre as bandas novas que tem em Salvador? E qual sua perspectiva sobre o underground em si atualmente?


Cara, eu sempre fui muito otimista, esperançoso, mas hoje admito que vejo o rock com muito descaso, sem muito tesão, não acompanho muito as bandas novas. Gosto da Vivendo do Ócio, Charlie Chaplin, acho o Tentrio e o Subaquático muito foda, muito mesmo. Mas de resto, nada me anima muito não.

Acho que estamos num momento meio estranho aqui. O público é cada vez mais bundamole, pouco curioso. Tem banda que quando toca cover no Groove Bar enche a casa, mas quando toca o repertorio próprio, não tem público. Não tem lugar pra tocar, tem banda ruim demais rolando, muita coisa muito ruim mesmo. As bandas da gurizada são meio ridículas, nego tá mais preocupado em fazer pose e postar vídeo no youtube do que fazer música boa...


13. O que gosta de fazer nos finais de semana?


Dormir! Hehe. Fora isso, vou no cinema, assisto a algum show bom que esteja rolando na cidade, saio pra tomar uma cervejinha e jogar conversa fora com os amigos,e principalmente fico com minha namorada, que é minha companheira em todos os momentos da minha vida, e a minha família.



14. Quais lugares indica para que as pessoas possam visitar em seu momento de lazer?


Salvador tem um monte de lugar bonito, e que pouca gente conhece. A cidade baixa é linda, o litoral norte é bem massa. Tem muita coisa legal rolando no Pelourinho, tem sempre show bom rolando nas casas de show resistentes.



15. E quais bandas ouvir?


Meu gosto musical é meio esquizofrênico, mas ouçam Vivendo do Ócio, Tentrio, Subaquático, excelentes bandas, com gente da melhor qualidade!



16. Agradeço a paciência em responder essa entrevista e, por favor, fique a vontade para deixar uma mensagem aos leitores do blog.


Saiam de casa, prestigiem os shows, e aguardem o disco novo da Pessoas Invisíveis. Acho que vai surpreender muita gente!



Acessem os links:


The Honkers:

http://www.myspace.com/thehonkers

http://www.fotolog.com/thehonkers



Pessoas Invsíveis:

http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock

http://www.fotolog.com/p_invisiveis

http://www.twitter.com/pinvisiveis

Comentários

Rodrigo disse…
bala! ficou di fufú!! hehehe
Eduardo disse…
Se ligou nessa num foi pars?
Eduardo disse…
Guilherme: Demais!!!E sábado tem dobradinha dele com The Honkers e Pessoas Invisíveis na praia de Jardim de Alah!

Postagens mais visitadas deste blog

Cobertura dos melhores momentos do Palco do Rock 2009

Por: Rodrigo Gagliano.


Nesta edição colaborou conosco o Rodrigo Gagliano, membro de várias bandas que foram/são importante para o cenário underground soteropolitano, dentre elas a Charlie Chaplin. O Rodrigo, acompanhou todos os dias do festival PALCO DO ROCK, e teceu suas considerações. DIVIRTAM-SE!

Dia 21/02/09 – Sábado

Primeiro dia. Não curti nenhuma banda. Não é só em relação a estilo, às vezes é algo que não gosto, mas posso ver algo interessante e tal. No máximo na banda grande, mas tinha muito pula-pula, muita braulêra! Na verdade não lembro da banda de Thrash Metal 80´s. Teve ainda, a Pastel de Miolos que tem algumas coisas que gosto, principalmente de coisas mais antigas, como costuma ser comigo.

Dia 22/02/09 – Domingo

Segundo dia. Fui com Íris e Antonio (amigos pessoais do Rodrigo) que queriam ver a primeira banda, Endiometriose. Banda de Feira de Santana, composta por meninas. Tocaram muitos covers em relação a quantidade de músicas próprias.Ponto negativo, pois ficou parecendo q…

Oasis Day 2012 - Salvador

Texto: Ciro Sarno Já há alguns anos vem sendo realizado, no Brasil, o Oasis Day. Em algumas cidades, eventos com programação especial são feitos em homenagem ao grupo, contando com bandas covers e/ou discotecagem, levando os fãs a relembrarem os hits que marcaram épocas.
Na edição deste ano, que ocorreu dia 15 de setembro, Salvador participou pela primeira vez. O evento foi realizado no Groove Bar, melhor casa de rock da cidade, e o anfitrião da noite foi o sempre fantástico Oasis Cover. A apresentação contou com a abertura da banda Blur Cover, fazendo uma combinação inusitada de covers entre os rivais britânicos. Foi uma noite de puro rock, com o melhor que o Oasis tem a oferecer neste aspecto. Com um setlist bem escolhido por Ted Simões, líder e vocalista do grupo anfitrião, o show foi conduzido de maneira dinâmica e com surpresas dignas do que a noite merecia. “Rock’n Roll Star”
A apresentação começou com a música que traduz bem o que é o Oasis, o que significa ser fã da banda e prepar…

Cobertura: Pessoas Invisíveis e Gigante Animal na Midialouca

Resenha: xDuduxFotos: Danilo VieiraSalvador passa por uma triste fase de escassez de casas de shows, por isso vale a criatividade dos organizadores de shows em buscar possibilidades em fazer a parada virar. Como puderam observar na resenha anterior, elaborada por Rodrigo Gagliano, o show dos Falsos Conejos foi no Bar de Dona Neuza, que fica no Marback bem distante do Rio Vermelho/Pelourinho (locais onde geralmente rolam os shows na cidade). Com a passagem do Gigante Animal (SP) por Salvador não foi diferente e a criatividade de Danilo Vieira é de se tirar o chapéu. O local escolhido foi a Midialouca, uma loja de CDs e livros bem legal. A estética do local por si só já tava valendo, eu particularmente nunca tinha ido a loja e adorei, comprei dois bons cds lá e ainda vi shows de duas bandas excepcionais. Vamos ao show.
Já tinha uma quantidade razoável, para uma quinta feira, no local e a Pessoas Invisíveis- http://www.myspace.com/pessoasinvisiveisrock - mandava os primeiros acordes, ent…